Polícia

Agente penitenciário executado em frente de presídio aberto é velado na Capital

O Corpo de Bombeiros e o Samu foram acionados, porém ao chegar ao local, a vítima já estava morta

Diego Alves Publicado em 11/02/2015, às 23h42

None
capa.gif

O Corpo de Bombeiros e o Samu foram acionados, porém ao chegar ao local, a vítima já estava morta

O agente penitenciário Carlos Augusto Queiroz de Mendonça, de 45 anos, está sendo velado neste momento na Pax Real do Brasil na Avenida Bandeirantes em Campo Grande. O sepultamento será no cemitério Memorial Park localizado na Avenida Sen Filinto Müller.

Caso

O agente penitenciário Carlos Augusto Queiroz de Mendonça, de 45 anos, morreu na manhã desta quarta-feira (11), no portão do presídio aberto da Vila Sobrinho, região oeste de Campo Grande. O fato ocorreu por volta das 5h40, quando o local foi aberto para a saída dos reeducando.

De acordo com testemunhas, um homem em uma motocicleta teria parado próximo ao portão, onde estava o agente, foi até a direção dele e efetuou diversos disparos a queima roupa. Em seguida, ele fugiu do local.

O Corpo de Bombeiros e o Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) foram acionados, porém ao chegar ao local, a vítima já estava morta. Equipes da Polícia Civil, Perícia Criminal e o representante do Sinsap-MS (Sindicato dos Servidores da Administração Penitenciária de Mato Grosso do Sul) também estão no local.

A vítima que tinha dez anos como agente penitenciário estava no portão, sem colete e identificação, ao lado de outro funcionário que estava com o colete e a identificação, porém o criminoso seguiu na direção dele. A Polícia Civil trabalha com a hipótese de execução.

Carlos Augusto foi atingido por ao menos três disparos. Pelo local foram localizados alguns projéteis, que foram apreendidos, porém os peritos informaram que não é possível saber qual é o calibre, antes de realizar o exame de balística.

Conforme informações do Sinsap, no Aberto há 404 detentos e apenas dois agentes de plantão. “É um número muito desproporcional, isso afeta diretamente na segurança do trabalho público”, ressalta o presidente do Sindicato, André Luiz Santiago, à equipe do Jornal Midiamax.

Em Mato Grosso do Sul, a população carcerária é de 13.437 presos e os agentes somam 1,4 mil, porém apenas 968 trabalham diretamente com os reeducandos.

Jornal Midiamax