Polícia

Polícia prende suspeito de estuprar e matar grávida

Policiais da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Bauru, no interior de São Paulo, prenderam nesta quarta-feira o homem apontado como autor do estupro e do assassinato de uma mulher grávida de dois meses, além de outros dois crimes na cidade. Os óculos de grau esquecido na cena de um dos crimes, confessados pelo suspeito, […]

Arquivo Publicado em 28/03/2013, às 01h28

None
1157632667.jpg

Policiais da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Bauru, no interior de São Paulo, prenderam nesta quarta-feira o homem apontado como autor do estupro e do assassinato de uma mulher grávida de dois meses, além de outros dois crimes na cidade. Os óculos de grau esquecido na cena de um dos crimes, confessados pelo suspeito, foi a “peça-chave” para que a polícia chegasse até ele.

A auxiliar de serviços gerais Sandra Maria da Silva, 32 anos, foi encontrada pelo próprio marido com um corte no pescoço em um matagal do núcleo habitacional Mary Dota em fevereiro deste ano. Além desse crime, Wellington Albuquerque Santos, 24 anos, também é apontado pela Polícia Civil como autor de outro caso de estupro registrado em janeiro e de uma tentativa de latrocínio contra um taxista, no final de fevereiro.

“Prendemos hoje um serial killer com traços de psicopata. Na delegacia ele confessou com riqueza de detalhes os três crimes”, disse o delegado da DIG Kleber Granja.

De acordo com Granja, no primeiro crime, Wellington usou uma faca para abordar uma jovem de 20 anos e, em seguida, abusar sexualmente dela. O suspeito revelou à polícia que teve impulso de matar a vítima no local do crime, mas a deixou ir embora porque não teve coragem. Oito dias depois, o suspeito abordou a gestante a cerca de 50 metros do local onde ele trabalhava em uma construção.

“Ele estuprou a mulher e soube que ela estava grávida, já que a vítima implorava pela vida dela e da criança. Mas, com medo de ser reconhecido, ele contou que cortou a garganta da mulher com a mesma faca que utilizou para abordar a primeira vítima”, afirmou o delegado.

Dias depois Wellington simulou uma corrida de táxi, mas no caminho anunciou um assalto. Ele desferiu um golpe de faca contra o taxista, um idoso de 72 anos, que reagiu ao assalto e lutou com o suspeito, que fugiu sem levar nenhum pertence da vítima. Próximo ao carro do taxista, a polícia encontrou os óculos de grau do suspeito, que foi o ponto de partida para solucionar o caso.

“Começamos a esclarecer o caso quando, no local do terceiro crime, encontramos os óculos de grau do acusado. Ele deixou cair enquanto entrava em luta corporal com a vítima. O acusado tem astigmatismo quatro graus de miopia. A partir daí, com a ajuda da primeira vítima que nos fez um retrato falado dele, nossa equipe começou a investigar naquela região, com pessoas que contratam para a construção civil”, explicou o delegado.

Wellington Santos foi preso em casa, no Jardim Petrópolis em Bauru, na manhã desta quarta-feira e levado para a DIG, onde prestou depoimento durante todo o dia. A confirmação da prisão do suspeito só foi divulgada para a imprensa à tarde.

A Justiça decretou a prisão preventiva do suspeito por 30 dias. O delegado contou ainda que vai pedir o confrontamento dos DNA’s das vítimas com o do acusado e, com isso, ele acredita que a prisão preventiva possa ser renovada por mais 30 dias. “Vamos esgotar todas as formas de investigação para oferecer ao judiciário todas as provas necessárias. Estamos aliviados, já que conseguimos esclarecer os três casos, principalmente o caso da Sandra, que causou grande comoção na cidade”, disse Granja.

O criminoso vai responder por estupro – contra a jovem -, homicídio triplamente qualificado – estupro, sequestro e homicídio, no caso de Sandra -, homicídio contra o feto, além de tentativa de latrocínio – no caso do taxista. Ainda nesta quarta-feira Wellington será encaminhado a uma cadeia da região de Bauru, mas a polícia preferiu não divulgar o município para preservar o suspeito, que pode ser vítima de represálias por outros detentos dentro da prisão.

Jornal Midiamax