Polícia

Dois manifestantes continuam presos, mas por tráfico e quebrar a porta do Bradesco

Dos manifestantes presos e apreendidos durante os protestos contra a corrupção em Campo Grande, dois, Eduardo Miranda Martins, 28 anos, e André Luiz Silva Costa, 30 anos continuam presos desde a sexta-feira (21). Todos os outros já foram liberados. Além dos dois também foram presos Vagner Moreira de Almeida de 24; Carlos Henrique Aguiar da Silva de […]

Arquivo Publicado em 28/06/2013, às 19h18

None
587231724.jpg

Dos manifestantes presos e apreendidos durante os protestos contra a corrupção em Campo Grande, dois, Eduardo Miranda Martins, 28 anos, e André Luiz Silva Costa, 30 anos continuam presos desde a sexta-feira (21). Todos os outros já foram liberados.

Além dos dois também foram presos Vagner Moreira de Almeida de 24; Carlos Henrique Aguiar da Silva de 22; Allan Bruno de Almeida Vasques, 18; Nelison Rodrigo Cabral da Silva, de 19 anos, além de três adolescentes.

Eduardo que está preso no Presídio de Trânsito, de acordo com a polícia, tinha papelotes de cocaína e uma porção de maconha na mochila. Já André é acusado de ter quebrado a porta de vidro do bando Bradesco, localizado na esquina da avenida Afonso Pena com a Calógeras.

De acordo com a polícia, Eduardo e Carlos são acusados de instigarem os manifestantes na Câmara com palavras de “Vamos invadir, Vamos quebrar tudo”.

André que está no Centro de Triagem, também no Complexo Penitenciário, chegou a ficar internado na Santa Casa, por conta de um corte, que sofreu no pé, devido ao chute no vidro.

Allan, segundo a polícia, foi quem atirou uma pedra contra um guarda municipal na Câmara. Já Nelson, de acordo com a Polícia Civil, foi flagrado com uma porção de maconha no bolso.

Os manifestantes, respondem por dano ao patrimônio publico, já que os identificados teriam quebrado a entrada principal da Câmara além de ter amassado uma grade e danificado uma placa.

No Facebook, integrantes e organizadores do Ato Público criticam a prisão de Dudu e alegam que não estão conseguindo contato com o jovem. Eles condenam o fato dele continuar sem a constituição de advogado de defesa e pedem manifestação da Secretaria Estadual de Justiça e Segurança Pública.

Jornal Midiamax