Polícia

Polícia prende em Campo Grande falsa advogada que aplicava golpes em detentos

A Decon (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Contra as Relações de Consumo) prendeu na tarde desta quinta-feira (10), a falsa advogada Margareth Vilela Pereira, 46, por prática de estelionato contra o deficiente visual e funcionário público A.S.L.E. de 50 anos. Ela também é acusada de agir como se fosse advogada, e enganava até detentos, […]

Arquivo Publicado em 10/03/2011, às 21h31

None
1754751612.jpg

A Decon (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Contra as Relações de Consumo) prendeu na tarde desta quinta-feira (10), a falsa advogada Margareth Vilela Pereira, 46, por prática de estelionato contra o deficiente visual e funcionário público A.S.L.E. de 50 anos.

Ela também é acusada de agir como se fosse advogada, e enganava até detentos, para os quais supostamente fazia petições solicitando revisão de penas.

O funcionário público contratou Margareth para uma representação de revisão de contrato de automóvel que o mesmo adquiriu. No golpe, A. perdeu em torno de R$ 2.400 que ele a repassava para efetuar pagamentos nunca feitos pela golpista.

A vítima começou a desconfiar do golpe por conta das cobranças do carro que continuavam chegando em sua residência. Com isso, A. marcou encontro com Margareth próximo às dependências do Procon e Decon.

No local, policiais fizeram a abordagem da autora e constataram que se tratava de uma suposta advogada com diversas passagens pela polícia, e que inclusive ficou presa por estelionato durante cinco anos. Ela escapou do sistema semiaberto em 2006.

Golpe até em preso

A falsa advogada possui uma extensa ficha criminal com mais de 11 passagens pela polícia pela prática do 171 (estelionato). Margareth tem um namorado que atualmente cumpre pena no semi-aberto por roubo. Era através dele que ela supostamente conhecia os novos “clientes”, acredita a polícia.

A suposta advogada cobrava para fazer petições revisionais de penas em nome de presos.

Em outros golpes, Margareth passava-se como ministradora de cursos, inclusive da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul).

Em um dos casos Margareth contou à vítima que era responsável pelo curso de Análises Clínicas onde cobrou R$ 70 antecipado. Posteriormente a estelionatária marcava com a vítima no Campus da Universidade, onde recolhia outro pagamento de R$ 140.

Alguns dos alunos descobriram a falsidade no primeiro dia de aula. Em outro golpe, com a promessa de dar entrada numa aposentadoria, a autora levou R$ 2.000 de uma idosa da cidade de Terenos.

O Decon faz um alerta caso outras pessoas tenham sido vítimas de Margareth, entrem em contato com a delegacia através do 3316-9805 ou pessoalmente.

Jornal Midiamax