Mundo

Coronavírus: russos são acusados de hackear pesquisas para vacina

Estados Unidos, Reino Unido e Canadá – três clássicos rivais dos russos no cenário político internacional – acusaram a Rússia de tentar roubar informações de pesquisadores que trabalham em uma vacina para o novo coronavírus. As três nações alegaram que o grupo de hackers APT29 – também conhecido como “Cozy Bear” (urso acolhedor, em inglês) […]

Matheus Maderal Publicado em 16/07/2020, às 12h41

A capital russa, Moscou. (Foto: reprodução)
A capital russa, Moscou. (Foto: reprodução) - A capital russa, Moscou. (Foto: reprodução)

Estados Unidos, Reino Unido e Canadá – três clássicos rivais dos russos no cenário político internacional – acusaram a Rússia de tentar roubar informações de pesquisadores que trabalham em uma vacina para o novo coronavírus.

As três nações alegaram que o grupo de hackers APT29 – também conhecido como “Cozy Bear” (urso acolhedor, em inglês) – está atacando institutos de pesquisa e universidades envolvidas no desenvolvimento da imunização. Há suspeitas de que o grupo seja parte do serviço de inteligência russo, ligado ao comitê de Segurança de Estado do país, conhecido pela sigla KGB.

Autoridades britânicas não disseram – e nem diriam – se algum dos ataques cibernéticos foram bem-sucedidos no roubo dos dados. Eles ressaltaram, no entanto, que nenhuma pesquisa foi comprometida.

O Reino Unido está na linha de frente na corrida global pela vacina do coronavírus, que já matou mais de meio milhão, e infectou outros 13,8 milhões no planeta. Rússia, Estados Unidos e Reino Unido estão no topo da lista de números de mortos pela covid-19, ao lado do Brasil.

Jornal Midiamax