Mundo

Operação mundial contra pornografia infantil prende 870 pessoas e resgata 259 crianças

Em 2015 ação fechou site que ocultava identidade de usuários

Ana Paula Chuva Publicado em 05/05/2017, às 19h27

None
fbi.jpg

Em 2015 ação fechou site que ocultava identidade de usuários

Uma operação massiva contra a pornografia infantil resultou em 870 detenções em todo o mundo, das quais 368 aconteceram em território europeu, informou nesta sexta-feira (5) o escritório da Europol (polícia comunitária europeia).

Pelo menos 259 crianças vítimas de abusos sexuais foram resgatadas de seus agressores nessa mesma operação.

O fechamento no início de 2015 do Playpen, um dos maiores sites de pornografia infantil do mundo (com mais de 150 mil usuários), permitiu que o FBI e o Departamento de Justiça dos Estados Unidos lançassem a operação para rastrear os associados à página.

A operação contou com o apoio da Europol e de muitos outros corpos de segurança em nível internacional.

O site, criado em agosto de 2014, ocultava a localização e identidade de seus usuários por meio de técnicas de encriptação e facilitava a seus visitantes o acesso a uma ampla categoria de material pornográfico infantil de diferentes categorias, disponíveis através de um índice.

O administrador principal do site, o americano Steven Chase, foi condenado nesta semana a 30 anos de prisão.

O diretor do Centro Europeu de Crimes Cibernéticos da Europol, Steven Wilson, alertou que os indivíduos envolvidos neste tipo de delito empregam as formas de encriptação mais avançadas para evitar sua detecção.

Wilson pediu que as forças de segurança estejam dotadas com os “meios proporcionais” para abordar esta ameaça.

“A internet não tem fronteiras nem as reconhece. Temos que equilibrar os direitos das vítimas com o direito à privacidade “, advertiu Wilson.

O comissário europeu de Segurança, Julian King, comemorou o fato de que “centenas de agressores sexuais que se aproveitam de crianças inocentes estejam agora atrás das grades”.

“A crescente sofisticação no uso de internet por parte dos criminosos não pode ser subestimada e é encorajador ver como, trabalhando de forma global, somos capazes de devolver o golpe e proteger nossos cidadãos”, declarou King.

Jornal Midiamax