Mundo

Número de mortos após dois ataques contra igrejas cristãs no Egito sobe para 27

Pelo menos 59 pessoas ficaram feridas

Daiane Libero Publicado em 09/04/2017, às 11h20

None
2213847932-igreja-copta-egito.jpg

Pelo menos 59 pessoas ficaram feridas

Dois ataques a bomba contra igrejas coptas no Egito deixaram pelo menos 27 mortos neste domingo (9). Os ataques, em Alexandria e em uma cidade do Delta do Nilo, aconteceram três semanas antes da visita do Papa Francisco ao Egito. A comunidade cristã copta, que representa 10% da população do país, foi recentemente ameaçada pelo Estado Islâmico. Mais de 50 pessoas ficaram feridas após a explosão de uma bomba caseira em Tanta, localizada a 120 km ao norte do Cairo. 

O templo estava repleto de fiéis durante a celebração da missa no Domingo de Ramos, que marca o início da Semana Santa. Horas mais tarde, houve uma suspeita de atentado suicida na igreja de São Marcos em Alexandria, que matou pelo menos seis mortos e resultou em vinte feridos, segundo a televisão estatal. O patriarca da Igreja Ortodoxa Copta, Tawadros II, tinha sido visto no templo pouco antes. 

O Ministério da Saúde egípcio confirmou para a agência de notícias estatal Mena o número de mortos, que dada a gravidade de alguns dos feridos, poderia continuar a crescer. Nenhum grupo assumiu imediatamente reivindicou a responsabilidade para o ataque. "Este é um ato terrorista perverso, mas erradicar o terrorismo no Egito e estamos determinados a reprimir os grupos terroristas", disse o primeiro-ministro egípcio Sherif Ismael em entrevista à televisão estatal do país. 

Com cerca de nove milhões de fiéis, os coptas ortodoxos são a maior comunidade cristã na região e tem suas raízes nos primeiros anos do cristianismo. Suas igrejas e propriedades foram atacados em várias áreas do país após o golpe liderado em 2013 pelo marechal Abdelfatá para Sisi contra Mohamed Morsi, líder da Irmandade Muçulmana, que havia se tornado um ano antes do primeiro presidente egípcio eleito em eleições livres. Setores islâmicos egípcios acusaram os cristãos de ter apoiado o golpe militar que levou ao poder o atual presidente, que foi aprovado nas urnas em 2014. 

Jornal Midiamax