MidiaMAIS

Scooby Doo, Yoda e Harry Potter: artesã campo-grandense se reinventa e faz amigurumis diferentões

A artista e professora de dança Emilly Ferreira, de 24 anos, passou a fazer os bonecos de crochê depois que os atendimentos diminuíram por causa da pandemia

Carlos Yukio Publicado em 16/05/2021, às 07h30

(Reprodução, Instagram)
(Reprodução, Instagram)

Os amigurumis são os queridinhos dos artesãos na pandemia. Os bonecos japoneses de crochê ficam lindos como peças de decoração ou como presentes. Em Campo Grande, a professora de dança e estudante de Artes Visuais Emilly Ferreira, de 24 anos, chama atenção nas redes pelos bonecos voltados para o público jovem e cultura pop.

Segundo a artesã, a iniciativa começou depois que os atendimentos para aula de dança caíram devido a pandemia e ela ficou sem renda. Com o ócio, aprendeu a técnica no YouTube e estudou os pontos básicos e os formatos que precisava para deixar os produtos mais trabalhados. Já sabia fazer crochê desde criança então tudo ficou mais fácil.

(Reprodução, Arquivo Pessoal)

“Eu comecei fazendo para distrair a cabeça, sempre gostei muito de trabalhos manuais, aprendi a fazer os pontos mais básicos do crochê quando era bem criança. Quando descobri o amigurumi eu fazia pra presentear meus amigos e eles me incentivaram a colocar para venda. No começo eu fiquei um pouco insegura por não ter certeza se ia conseguir fazer todos os pedidos que chegassem. Mas deu super certo, e tenho recebido vários pedidos”, conta a artesã.

A palavra Amigurumi é uma junção de palavras de origem japonesa que significa “ami” – “tricô” ou “malha” e “nuigurumi”- “bichos de pelúcia”. Ou seja, podemos traduzir amigurumi como “bichos de pelúcia de tricô”.

Confeccionados geralmente com linhas de algodão, os amigurumis podem ter as mais variadas cores e formatos. Mas eles possuem algumas características que os tornam inconfundíveis: possuem formas esféricas e cilíndricas, e a cabeça e os olhos grandes, evidenciados em relação ao restante do corpo.

Os personagens diferentões dos usuais animais ou figuras santas são o que chamam atenção no perfil que Emilly nutre nas redes sociais, o Partner Personalizados (@partnerpersonalizados). Entre alguns estão Mia Colucci, do RBD, a personagem Cuca, do Sítio do Pica Pau Amarelo e que virou meme da vacinação no Brasil, Harry Potter, Yoda de Star Wars, Edward Mãos de Tesoura, o palhaço IT e muito mais.

“Para cada personagem eu vou inventando e criando coisas novas, nas roupas, acessórios. Mas tudo foi na internet mesmo. Eu gosto muito de cultura pop, animações, consumo muito esse tipo de conteúdo, então acaba que meu público se identifica com isso e sempre pedem personagens de filme, desenho, memes", explica Emilly.

Além dos amigurumi, Emilly também faz brincos de crochê, correntes e braceletes de beads, que estão super na moda e que podem ser personalizados com as palavras ou letras que quiser. Para conferir o trabalho da artesã, basta seguí-la no Instagram (@partnerpersonalizados) e fazer seu orçamento. As peças tem valor mínimo de R$10.

Jornal Midiamax