MidiaMAIS

Como ansiedade e medo provocam dores no corpo?

Especialista diz que na pandemia houve um aumento brutal de sintomas da somatização, não só relacionado ao trabalho, mas também à família

João Ramos Publicado em 19/05/2021, às 10h59

Quase 100% dos problemas têm componentes emocionais mais do que gostaríamos
Quase 100% dos problemas têm componentes emocionais mais do que gostaríamos - (Reprodução)

Pesquisa feita pelo instituto Ipsos comprovou o que muita gente vem sentindo na pele: a pandemia afetou a saúde mental dos brasileiros. 53% das pessoas entrevistadas no Brasil relataram piora no bem-estar emocional no último ano. E isso está contribuindo para o surgimento de doenças psicossomáticas, processo também conhecido como somatização, segundo o PhD em neuroanatomia e anatomia humana Mario Sabha Jr.

“As células do nosso corpo são inteligentes e o que mais interfere nessa inteligência, além de nutrição e exercício físico, são as nossas emoções. Se a pessoa está pensando e emitindo impulsos de medo, raiva, culpa e sentimentos de autoflagelação isso interfere negativamente no corpo e pode até causar alterações genéticas, na imunidade e em toda a parte endócrina e metabólica provocando doenças”, explica.

Emoções e sentimentos podem refletir inclusive na saúde física. “Os sintomas são diversos desde os de ordem psicológica como medo, ansiedade, rejeição e culpa, até dores, fibromialgia e Lesões por Esforço Repetitivo (LER), também conhecidas como Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORT)”, afirma o PhD.

Emoções também são responsáveis por dores físicas (Reprodução)

O especialista pontua que grande parte das dores tem origem emocional. “Quase 100% dos problemas têm componentes emocionais mais do que gostaríamos. Em um caso mais clássico, a pessoa sente dores que caminham pelo corpo e relata que elas pioram quando fica nervosa ou ansiosa, podemos dizer que é emocional com toda certeza”, completa.

Sabha conta que observou aumento desses sintomas durante o último ano. “Na pandemia teve um aumento brutal de sintomas da somatização, não só relacionado ao trabalho, mas também à família. Isso é proporcional ao aumento de divórcios, suicídios, dores ocupacionais e relacionais. Muitas pessoas não conseguem lidar com as adversidades da vida e com as diferenças do outro, e isso causa dores físicas e emocionais”, diz.

Tratamentos são fundamentais (Reprodução)

O especialista, que também é terapeuta integrativo, ressalta que em momentos como este que estamos vivendo, cuidar da saúde mental é tão importante quanto manter o bem-estar físico para evitar o desenvolvimento e agravamento de doenças.

“Além dos tratamentos convencionais, aqueles que utilizam técnicas de programação neurolinguística, mentorias individuais, terapias metafísicas não só eliminam as dores como também fazem com que a pessoa explore o que tem de melhor de dentro para fora”, diz.

“Existem também pessoas que não conseguem expor os sentimentos e, por isso, é necessário fazer o tratamento fluir através do corpo utilizando a osteopatia, quiropraxia e acupuntura para depois trabalhar as emoções”, completa.

Jornal Midiamax