MidiaMAIS

Louco por Chamamé, Bruno declara seu amor à sanfona: “é a minha felicidade”

Bruno nasceu com aquele negocinho raro, diferente, brilhante, que faz todo mundo se encantar por ele: carisma! Muito simpático e alto astral, bastou segundos para me sentir “brother” dele, que tem alma de artista e porte de um grande sanfoneiro. Foi na infância que Bruno Santos, 26, tomou gosto pelo acordeom. Por influência dos pais, […]

Leandro Marques Publicado em 04/01/2020, às 09h57 - Atualizado às 10h09

Bruno Santos (foto: Leandro Marques)
Bruno Santos (foto: Leandro Marques) - Bruno Santos (foto: Leandro Marques)

Bruno nasceu com aquele negocinho raro, diferente, brilhante, que faz todo mundo se encantar por ele: carisma! Muito simpático e alto astral, bastou segundos para me sentir “brother” dele, que tem alma de artista e porte de um grande sanfoneiro.

Foi na infância que Bruno Santos, 26, tomou gosto pelo acordeom. Por influência dos pais, frequentadores assíduos de bailes de chamamé, observando os mestres da música fronteiriça, ele acabou inspirado por grandes nomes, como Gregório, Marlon Maciel, Gerson Douglas, Maciel Corrêa, Michel Teló…

Dona Maria dos Santos, a Zete, mãe de Bruno, conta que ele sempre adorou ir aos bailes. Na infância, uma de suas brincadeiras preferidas era tocar sua pequena sanfona e performar como um legítimo gaiteiro. “O Bruno sempre foi inteligente. Ele tem um pouco de problema de dicção para se comunicar, mas sempre foi muito esperto e gostou de coisas diferentes”, revela.

Entre os artistas preferidos de Bruno, estão o grupo Canto da Terra, Gerson do Tradição e Marlon Maciel, com quem já até dividiu o palco. “Quando eu era criança, subi no palco com o Marlon Maciel. O meu sonho agora é subir no palco e tocar com esse cara aí, (aponta para seu professor). Ainda quero gravar um CD, e tocar pra  muita gente no show”, revela Bruno.

Louco por Chamamé, Bruno declara seu amor à sanfona: "é a minha felicidade"
Marlon Maciel e Bruno Santos, registro de um momento único (fotos: acervo pessoal)

A Sanfona

O instrumento pelo qual Bruno é apaixonado é fruto de um presente dado de surpresa em coletivo pelos colegas da Câmara de Vereadores de Campo Grande, onde trabalha. “Ele é assessor de Gabinete do André Salineiro e o acompanha nas seções. Ele faz mais o social, conversa com todo mundo, em todos os gabinetes. Quando ele não aparece, ficam ligando “você não vai aparecer aqui?”, diverte-se dona Zete.

Muito querido por todos, em 2018, criaram um “livro de ouro” pelos colegas, para angariar fundos para presenteá-lo com o instrumento. A iniciativa deu muito certo e o dinheiro arrecadado foi investido em uma sanfona bem linda, ostentada com muito orgulho pelo artista.

Se ele ficou feliz com a surpresa? “Meu deus do céu, você não tem noção a felicidade que foi quando ele ganhou a sanfona. Eu tenho só alegria de ver ele assim, como é que uma mãe não vai ter orgulho de um filho realizando um sonho? Só achava difícil conseguir a sanfona, que não é barato… A gente conseguiu essa bem em conta. Esse foi o sonho dele realizado”, revela a mãe.

Para se aprimorar, Bruno faz aulas uma vez por semana. O professor, Darci Carvalho, integrante do Grupo Uirapuru, é só elogios. “Ele é muito disciplinado, esforçado. O Bruno aprende só na pratica e no ouvido (por não saber ler partitura), por nota ainda não dá, mas ele vai muito bem, é muito dedicado”, orgulha-se.

Mesmo com as dificuldades do aluno e os desafios de manusear o instrumento, o Professor acredita muito em seu desenvolvimento. “Ele vai longe, a sanfona é um instrumento muito difícil, requer muita coordenação, que é mão direita, mão esquerda, mais o trabalho do fole, dificulta mais que outros instrumentos, mas ele tem futuro sim”, reforça Darci.

Cada vez melhor em sua técnica, o desenvolvimento do rapaz é visto com muito orgulho pelos pais. Encantados ao ver o filho se realizando, a emoção toma conta quando ele começa a performar. “A Primeira vez que o vi tocando ‘Parabéns’, na dificuldade dele, fez a gente se emocionar. Se você vir meu marido, ele se emociona demais, ele ama chamamé! Às vezes ele fica perto do quarto escutando o Bruno ensaiando. Quando ele consegue tirar uma nota, meu marido vem falando com os olhos cheios de lágrima, muito orgulhoso, falando sobre os progressos que o filho tem alcançado. Ele é nosso orgulho”, derrete-se.

Louco por Chamamé, Bruno declara seu amor à sanfona: "é a minha felicidade"
Pega essa banca de gaiteiro! (foto: Leandro Marques)

Com uma grande vontade de aprender, se desenvolver e nunca sossegar em sua zona de conforto, podemos tirar muitos exemplos da relação de amor que Bruno tem com a sanfona. São grandes os desafios para se aprender a tirar som deste instrumento tão complexo, mas que nem por isso, foi deixado de lado por ele. Seu amor pelo instrumento encanta, ficamos na torcida para que este grande sanfoneiro, vá longe, muito longe, realizando seus sonhos!

Jornal Midiamax