MidiaMAIS

Para recuperar figurino após assalto, festa irá unir bandas em prol de Zé Pretim

Músico teve casa assaltada nesta segunda-feira (1º)

Daiane Libero Publicado em 03/05/2017, às 18h05

None
17426359_10155787148736988_6849554994555173549_n.jpg

Músico teve casa assaltada nesta segunda-feira (1º)

Após assalto que resultou em perda de vários bens na última segunda-feira (1º), como uma mala com seu figurino e vários outros objetos, o músico Zé Pretim, conhecido instrumentista e cantor de blues da Capital, receberá uma ajuda em peso dos amigos e músicos, que organizam evento no dia 14 de maio, domingo, a partir das 17h no bar Capim Guiné , para arrecadar verba que irá reparar os danos. 

Segundo informações do músico Luis Henrique Ávila, que ajudou Zé a fazer o B.O. (Boletim de Ocorrência) do assalto, o evento acontece no Capim Guiné, e contará com as bandas Gessy & Rhivo Trio, Projeto MPBlues, Dente de Ouro e Horse Society, além de um show com o próprio bluesman. “Fui na polícia com o Zé registrar o B.O. e ele está incrivelmente bem e tranquilo”, afirmou. 

Luis diz que cerca de cinco casas de shows e bares de Campo Grande ofereceram espaço gratuitamente para realizar o evento, e Zé agradeceu imensamente a todos. “É muita solidariedade, é de emocionar. Não queria divulgar nada sem antes agradecer os cinco convites que tivemos para fazer a festa. Sejamos gratos pelo momento”, analisa o músico. 

Zé teve furtados um bujão de gás, um aparelho de som, um ventilador e uma mala com os principais figurinos do artista, que recentemente se apresentou no programa do Raul Gil, tocando uma versão blues de “Trem do Pantanal”, de Geraldo Roca e Almir Sater. Ele inclusive é semi-finalista do programa, e a perda do figurino que iria utilizar na competição pesou. 

O músico afirma que não estava em casa no momento do crime. “Acredito que Deus me protegeu, porque meus pertences de maior valor estavam todos guardados na casa do Luis Ávila… E, principalmente, eu não estava em casa no momento em que os ladrões invadiram minha casa, o que poderia ter sido muito pior. Por isso não acredito em coincidência, e sim em proteção divina”, apontou.

Jornal Midiamax