MidiaMAIS

Decreto protege restaurante da década de 50 que perderia espaço para rodovia

Restaurante Água Rica será preservado

Daiane Libero Publicado em 05/05/2017, às 19h44

None
aguaricafoto_silassouza002.jpg

Restaurante Água Rica será preservado

A prefeitura de Nova Alvorada do Sul publicou nesta quinta-feira (27) um decreto que declara o restaurante Água Rica como um patrimônio de relevante valor cultural, e evita que a CCR MSVia duplique a rodovia BR-163, que, segundo o projeto inicial realizado, passaria a 1,5 metros de distância da entrada do estabelecimento. O restaurante Água Rica se localiza no KM 341 da rodovia, e há 60 anos atende viajantes e turistas para um momento de café com chipa, almoço e refeições.  Na época da notícia da duplicação, o Jornal Midiamax chegou a relatar o drama do estabelecimento, que perderia parte de sua história. 

O restaurante possui uma área de aproximadamente 33 hectares, localizada as margens da BR-163, pouco antes do Distrito de Anhanduí. A casinha de madeira ainda conserva um projeto original da década de 1950, e permanece como um negócio familiar.  “Foi fundada pelo meu avô, os viajantes começavam a pedir abrigo para comer, parar. E ele decidiu abrir o restaurante”, disse a neta dos proprietários Fabiane Queiroz Tomaz, de 44 anos. Do seu Franklin, a “Água Rica” passou para o genro, Joaquim Tomaz Filho, conhecido como Quinzinho, marido da filha, dona Maria Inez.

A CCR MSVia iniciou as negociações da duplicação antecipando um projeto que teria que retirar as árvores e passar a estrada no estacionamento. “Quando vimos o projeto eles disseram que não tinha como mudar, porque do outro lado teriam que gastar um pouco mais para reembolsar o proprietário”, conta Fabiane. “Eles disseram que não vão nos obrigar a sair, mas a rodovia ia acabar com o ponto, não vai poder mais estacionar, vamos ter que mudar o restaurante e vai acabar com a nossa água”, descreveu a filha na época em que foi anunciada a duplicação

Com o decreto, as obras poderão ser suspensas, e no texto divulgado pela prefeitura, “deverão os proprietários manter suas catacterísicas próprias, no sentido de resguardar sua integridade e expressividade, bem como, as condições propícias para que continue a existir”. Ainda segundo o documento, o decreto tem efeito imediato. A CCR MSVia ainda não se pronunciou sobre a mudança de planos. 

Jornal Midiamax