MidiaMAIS

Era apenas um bilhete no para-brisa, e provocou uma reflexão sobre honestidade

Após arranhar lataria de carro, homem deixou bilhete

Guilherme Cavalcante Publicado em 21/09/2016, às 11h00

None
14344857_1552430811449324_2677010823585043310_n.jpg

Após arranhar lataria de carro, homem deixou bilhete

Um bilhete preso no limpador do para-brisa, no fim da manhã da terça-feira (20). Foi com isso que a publicitária Carol Boaretto, 28 anos, descobriu que seu carro, estacionado numa rua estreita, tinha sido arranhado por outro motorista, que ao manobrar o veículo acabou danificando a pintura do para-choque. Ela jamais notaria a diferença sem o bilhete. Mesmo assim, o aviso estava lá, com um pedido de desculpas e o número do telefone.

(Reprodução/Facebook)"Eu juro que não ia perceber tão cedo. Quando vi o bilhete pensei que ou era multa, propaganda ou cantada, nunca que era um aviso. Eu olhei e carro e vi que realmente estava riscadinho, nem era essas coisas todas. Mas fiquei tocada com a ação. Estamos muito descrentes, já vi gente derrubando moto e deixar pra lá, mesmo", relata a publicitária.

O ato de honestidade gerou uma postagem no Facebook, com a foto do bilhete. Daí, claro, compartilhamentos, curtidas e comentários – muitos deles perplexos com a ação, o que indica que estamos bem claramente que estamos desacostumados com a honestidade.

Com o telefone em mãos, Carol ligou para o número. Do outro lado da linha, um homem atendeu e imediatamente pediu desculpas e prontificou-se a reparar o prejuízo. "Ele disse que eu poderia levar na oficina da minha confiança, que não precisava fazer orçamento. Não sei se ele é novo ou velho, não conheço a pessoa. Mas estou tocada com o gesto em si. A minha preocupação com a postagem foi mostrar o valor da ação quando a gente está desacreditando em tudo", explica.

Quando Carol chegou em casa para o almoço, de imediato provocou a mãe. "Eu disse para ela: mãe você ainda acredita na humanidade? Ela me perguntou porque. Daí eu disse: bateram no meu carro e deixaram um bilhete com o telefone. Eu estava perplexa, mas nem foi isso o que mais chamou atenção", adianta.

O que despertou pensamentos mais complexos sobre o fato na publicitária, entretanto, está nos comentários do Facebook. "É impressionante, pelos comentários, mesmo, como a desonestidade é uma coisa constante, como diante do ato mais simples de cidadania a gente simplesmente não sabe bem como agir", reflete.

Bar honesto

Bar procurou clientes para ressarcimento (Foto - Luiz Alberto)

Era apenas um bilhete no para-brisa, e provocou uma reflexão sobre honestidadeA perplexidade das pessoas diante da postagem de Carol não é exatamente uma novidade. Não tem muito tempo, o Jornal Midiamax postou uma matéria sobre o mesmo assunto. No caso, um bar da cidade cobrou a mais de clientes e também pelo Facebook procurou a turma para o ressarcimento. Tanto na matéria produzida como na rede social do bar, a admiração diante da honestidade chamou atenção.

Claro, teve também quem falou em marketing, publicidade e outros predicados, a fim de desmerecer a ação. Mas, talvez seja, mesmo, como uma amiga de Carol adiantou nos comentários: a honestidade precisa ser enxergada muito mais pela ação, muito menos pela pessoa. É fazer o bem sem olhar a quem, nem a si mesmo. "Na minha modesta opinião, honestidade não é virtude, é obrigação de todos".

Jornal Midiamax