Geral

Médico tem registro cassado por dar receitas sem avaliar pacientes

Pedro Marilto já havia sido cassado em 2014, mas voltou a trabalhar com a ajuda da Justiça

Midiamax Publicado em 25/02/2015, às 11h27

None
1.png

Pedro Marilto já havia sido cassado em 2014, mas voltou a trabalhar com a ajuda da Justiça

O médico ortopedista Pedro Marilto Vidal de Paula, que atua em Campo Grande, teve o registro profissional cassado pelo CRM (Conselho Regional de Medicina) e pelo CFM (Conselho Federal de Medicina). Ele é acusado de emitir receitas médicas sem, ao menos, ter avaliado o paciente. Alem disso, ele é acusado indicar falsos profissionais para atuarem no tratamento e receber por isso. Esta decisão foi publicada no DOE (Diário Oficial Estadual).

Segundo a publicação, Marilto infringiu o artigo 39 do Código de Ética Médica cuja íntegra é: “É vedado ao médico atestar de maneira secreta e quando esta conduta não identifica o seu autor e acarreta a imputação de outros profissionais”.

De acordo com o presidente do CRM, Alberto Cubel Brull, essa não foi a primeira vez que o ortopedista se envolve em processos disciplinares. “Em 2014, ele chegou a ser cassado, mas um juiz autorizou que ele retornasse ao trabalho”, lembra.

Sobre a cassação atual, Cúbel não quis dar detalhes, por se tratar de um procedimento sigiloso. “Não posso comentar o caso do Vidal. O que posso falar é que em toda cassação o CFR faz uma análise do caso, confirmando, ou não, a decisão dada pelo CRM, ou seja, os processos são amplamente estudados. Tendo em vista tudo que já aconteceu, a cassação não impede que o acusado entre na justiça e um juiz volte a autorizá-lo a trabalhar”, explica.

Assim, Cúbel diz que um processo no CRM e no CFR, normalmente, chega a durar até três anos. “É dada a ampla defesa aos acusados. Eles tem tempo de sobra para se defenderem”, diz.

A reportagem entrou em contato com o ortopedista, Pedro Vidal, por meio de ligações telefônicas ao consultório, mas as chamadas não foram atendidas.

Jornal Midiamax