Geral

Vinte e quatro mil litros de água estão parados em vagão abandonado da ALL em MS

Em época de preocupação com o risco da dengue,  24 mil litros de água estão parados em um vagão-tanque abandonado da Empresa América Latina Logística (ALL), na área central da cidade, na antiga estação da ferrovia localizada na Esplanada da Noroeste do Brasil (NOB). De acordo com o site Rádio Caçula, os vagões que eram […]

Arquivo Publicado em 06/01/2014, às 22h00

None
1311345687.jpg

Em época de preocupação com o risco da dengue,  24 mil litros de água estão parados em um vagão-tanque abandonado da Empresa América Latina Logística (ALL), na área central da cidade, na antiga estação da ferrovia localizada na Esplanada da Noroeste do Brasil (NOB).

De acordo com o site Rádio Caçula, os vagões que eram utilizados para o transporte de grãos, foram abandonados pela empresa há anos. Além disso, o local também serve de abrigo e ponto de usuários de drogas.

As fotos também mostram sujeira nas margens da malha ferroviária e um caminhão incendiado no pátio ‘desovado’ ao lado do ponto de abastecimento das máquinas na Avenida Rosário Congro.

Além da água parada e o abandono das máquinas as calçadas e divisões feitas de alvenaria e trilhos também estão esquecidos e abandonados no local pela empresa, sem nenhum tipo de manutenção ou preservação em sua divisa com a via, ainda de acordo com o Rádio Caçula.

De acordo com a Secretaria de Estado de Saúde de MS, mais de 102 mil casos de dengue foram notificados no Estado. Em Três Lagoas, cidade com mais de 103 mil habitantes teve 6.827 casos notificados e uma morte. Ainda de acordo com a Secretaria de Saúde, 31 pessoas morreram em 2013, por conta da dengue.
Em nota, a ALL informou sobre um cronograma de limpeza da faixa de domínio da ferrovia e de pátios assistidos e que ainda neste mês vai fechar a programação para a retirada da roçada e da água que estão fechando as escotilhas.

Referente à retirada de vagões e caminhão não mais utilizados, a empresa diz estudar a melhor forma e um cronograma para iniciar a retirada.

Jornal Midiamax