Geral

População se junta para reformar ponte que estava “caindo aos pedaços” em Coxim

Cansados de esperar pelo poder público, moradores se uniram para reformar a ponte sobre o córrego Fortaleza, que divide os municípios de Coxim e Rio Verde. Munidos com diversas ferramentas, madeira e boa vontade, a população está resolvendo o problema que anunciava uma tragédia. Caindo aos pedaços, a ponte colocava em risco a vida dos […]

Arquivo Publicado em 27/02/2014, às 22h55

None
767025426.jpg

Cansados de esperar pelo poder público, moradores se uniram para reformar a ponte sobre o córrego Fortaleza, que divide os municípios de Coxim e Rio Verde. Munidos com diversas ferramentas, madeira e boa vontade, a população está resolvendo o problema que anunciava uma tragédia.

Caindo aos pedaços, a ponte colocava em risco a vida dos usuários das duas cidades, principalmente alunos da zona rural que por ali passam diariamente. As prefeituras dos dois municípios não dispunham de recursos para fazer a reforma completa da ponte e o governo do Estado não moveu uma tábua para dar solução ao problema.

As pessoas que ajudam na reforma da ponte, nesta quinta-feira (27), cansaram da inércia do poder público, seja municipal, estadual ou federal. “Por aqui passa muita gente, mas também passa parte da riqueza da nossa cidade em caminhões e carretas”, declarou um dos ajudantes.

O empresário Arlindo Borolin, de 62 anos, informou que o gasto com material para consertar a ponte provisoriamente foi de aproximadamente R$ 1 mil, além de três horas de serviço. “Por tão pouco devolvemos segurança a população que necessita trafegar por aqui, assim como restituímos o direito das nossas crianças voltarem as aulas”, comentou Viviane Gomes Borolin, de 36 anos.

Depois que a imprensa denunciou a ponte sobre o córrego Fortaleza virou um atrativo na região. Não faltou político visitando o local para tirar foto, postando nas redes sociais que dariam solução ao problema. Entretanto, a solução veio das mãos daqueles que pagam impostos para esses governos que não se importam com a segurança dos moradores da região.

Jornal Midiamax