Geral

Banco de dados da segurança pública de Mato Grosso do Sul é modelo em todo o País

Um banco de dados único, através do qual todas as forças policiais possam obter informações importantes para a tomada de decisões e planejamento de ações, como números de crimes, áreas críticas, veículos em busca e pessoas procuradas pela justiça, por exemplo. O que até 2006 era sonho, tornou-se realidade em Mato Grosso do Sul e […]

Arquivo Publicado em 26/02/2014, às 13h49

None

Um banco de dados único, através do qual todas as forças policiais possam obter informações importantes para a tomada de decisões e planejamento de ações, como números de crimes, áreas críticas, veículos em busca e pessoas procuradas pela justiça, por exemplo. O que até 2006 era sonho, tornou-se realidade em Mato Grosso do Sul e já começa a ser implantado em outros Estados brasileiros.


O Estado possui hoje um dos maiores e mais eficientes bancos de dados de segurança pública do País. Pertencente à Sejusp (Secretaria Estadual de Justiça e Segurança Pública), o sistema engloba todas as forças, como Polícia Militar, Polícia Civil, Bombeiros Militares, Perícia, Agência Penitenciária do Estado (Agepen) e Superintendência de Assistência Sócioeducativa (SAS).


Todas as ocorrências, instauração e movimentação de procedimentos, objetos e veículos furtados, são incluídos no banco de dados único que é atualizado 24 horas, todos os dias da semana, integrando e disponibilizando informações de forma eficiente e segura entre as forças.


De acordo com o secretário de Justiça e Segurança Pública, Wantuir Jacini, a tecnologia utilizada no Estado oferece a necessária vantagem entre o crime e o seu combate. “A partir da visualição dos cenários do banco de dados podemos escolher soluções rápidas, simples, seguras, completas e inteligentes que permitam que a polícia esteja sempre à frente em todas as situações”, enfatiza.


Outra grande vantagem do banco de dados único da Sejusp é a troca de informações com o sistema Infoseg, utilizado pelas polícias de todo o País. “Quando inserimos no nosso sistema o mandado de prisão de um indivíduo ou dados de um veículo furtado, automaticamente essas informações são repassadas e atualizadas de imediato pelo sistema nacional. A partir daí, caso o veículo ou a pessoa sejam consultados em qualquer parte do Brasil, é possível saber que são procurados”, explica Jacini.

Transparência


Além de subsidiar as forças com informações e direcionar as ações da Sejusp, os dados são públicos e podem ser acessados por qualquer pessoa, através da internet. “Mensalmente nós compilamos os dados e divulgamos uma estatística completa de forma setorizada, por crimes e cidades”, destaca o secretário.


Qualquer cidadão pode ainda acessar pela internet os painéis gerenciais que mostram em tempo real as ocorrências policiais, áreas e cidades que são registradas, por fato ou período, através das páginas da Sejusp e das polícias, que possuem o link “estatística”. As informações podem ser visualizadas não apenas em números, mas também em forma de gráficos.


“Trabalhamos e mostramos os nossos resultados a toda a população. Paralelo a isso, o nosso banco de dados é compartilhado também com o Poder Judiciário e o Ministério Público, que têm livre acesso a todas as ações das forças ligadas à Sejusp”, conclui Wantuir Jacini.

Jornal Midiamax