Geral

Naufrágio: passageiro diz que Concordia afundou ao som da trilha do filme Titanic

A música My Heart Will Go On, trilha sonora do filme Titanic, foi a última canção ouvida pelos passageiros do navio Costa Concordia quando ele afundou na última sexta-feira (13), relatou um passageiro suíço ao tabloide britânico The Sun. De acordo com Yannic Sgaga, ouvido pelo jornal, a música de Celine Dion era a trilha […]

Arquivo Publicado em 19/01/2012, às 22h10

None

A música My Heart Will Go On, trilha sonora do filme Titanic, foi a última canção ouvida pelos passageiros do navio Costa Concordia quando ele afundou na última sexta-feira (13), relatou um passageiro suíço ao tabloide britânico The Sun.

De acordo com Yannic Sgaga, ouvido pelo jornal, a música de Celine Dion era a trilha sonora do restaurante do navio de luxo no momento em que ele colidiu com uma rocha e começou a naufragar na costa da ilha de Giglio, na Toscana.

Em entrevista ao The Sun, Sgaga disse que as imagens do filme são “mais realistas do que se pensa”, e que enquanto o navio afundava, muitas cenas vieram à sua cabeça.

No entanto, ironicamente o trabalho da tripulação do navio Costa Concordia foi bem pior do que é mostrado no filme com Leonardo DiCaprio e Kate Winslet, disse Sgaga. Segundo ele, a tripulação do navio não prestou socorros a passageiros como ele e seu irmão, e “apenas o pessoal da cozinha” os ajudou a deixar o navio.

– Eu nunca vi uma demonstração de incompetência e irresponsabilidade como essa. Exceto por um jovem marinheiro, nós não encontramos ninguém da tripulação para organizar os botes salva-vidas.

Ainda segundo Sgaga, o que se viu no naufrágio do Costa Concordia foram cenas de “desespero”. – Quando o navio começou a inclinar, centenas de pessoas ainda estavam na parte de dentro sem nenhuma informação sobre como agir. Houve pânico e nós tivemos que andar pelas paredes.

Até agora, onze pessoas morreram, das quais seis foram identificadas: dois turistas franceses, um italiano, um espanhol e dois membros da tripulação, um peruano e outro húngaro- este último era violinista a bordo do navio.

Ao todo, 26 pessoas estão desaparecidas, entre elas as vítimas cujos corpos recuperados não foram identificados.
O capitão do navio, Francesco Schettino, foi preso e é acusado de homicídio culposo e por abandonar o barco.

Além disso, a empresa Costa Cruzeiros se posicionou contra o capitão, e disse que não irá arcar com as despesas de sua defesa. Em entrevista coletiva na segunda-feira passada, o presidente da Costa Cruzeiros, Pier Luigi Foschi, disse que a empresa também é vítima do acidente. Ele calculou os danos da companhia em US$ 93 milhões (R$ 163 milhões), estimativa que ainda não contabiliza o valor dos seguros que deverão ser pagos aos passageiros.

Jornal Midiamax