Geral

Black Friday divide opiniões e muitas pessoas ficam decepcionadas com descontos

A promessa é oferecer descontos de até 70% em vários estabelecimentos, mas em Campo Grande, até agora, o evento não atingiu seu objetivo

Arquivo Publicado em 23/11/2012, às 14h52

None
1206425996.jpg

A promessa é oferecer descontos de até 70% em vários estabelecimentos, mas em Campo Grande, até agora, o evento não atingiu seu objetivo

Diversas empresas estão realizando o Black Friday hoje (23), para atrair consumidores com a promessa de descontos imperdíveis. O compromisso é oferecer descontos de até 70% em vários estabelecimentos, como Walmart, Magazine Luiza, Compra Facil, Netshoes, Americanas, Casas Bahia, Extra, e Tam. No entanto, na maior parte desses locais, em Campo Grande, o evento não está tendo repercussão positiva.


Muitas pessoas reclamam da falta de divulgação e de propagandas enganosas. “Não tem promoção nenhuma. Eles aumentam o valor dos produtos e colocam o valor real para enganar a população. Assim, as pessoas pensam que estão ganhando descontos, mas é nada, só enrolação”, disse o aposentado Airton Ferreira de Carvalho, 79 anos, que foi até uma das lojas conferir o evento.


Nas Casas Bahia e no Walmart não tinham nem faixas sinalizando o Black Friday e o público era o normal, conforme os funcionários. Já nas lojas Americanas, eles optaram por realizar a Red Friday, com enfoque na logomarca da empresa que é vermelha.


Mesmo assim, muitos nem estavam a par da data considerada especial para o comércio. “Nem sabia desses descontos. Só vim até à loja porque estou passando aqui pelo Centro. Mas nem estão divulgando”, destacou o segurança Diego Soares, de 25 anos.


Por outro lado, no Extra, o aumento da clientela foi visível. “Vim só por causa do desconto. Alguns produtos valem à pena”, informou a cozinheira, Cidinéia Brita da Silva de 50 anos. “Eu vim para comprar um colchão e acabei saindo com o carrinho cheio”, contou satisfeita a aposentada Maria Eunice, 65.


“Estou aqui por causa da promoção. Fiquei curiosa. Estou fazendo uma espécie de turismo comercial”, contou a empresária Tais Costa. Outro fato abordado é em relação a demanda de produtos. “Nesses dias, a gente tem que madrugar. Vim comprar óleo por R$ 2,99, e já acabou. Quem está interessado, tem que ficar esperto”,destacou Cidinéia.


O Chefe de Seção do estabelecimento, Alexsandro Melgar Ramos, informou que a expectativa é lucrar de 15% a 20% em relação ao ano anterior, quando teve outra edição do Black Friday. O evento, que iniciou às 22h de ontem, vai até às 00h de hoje.

Jornal Midiamax