Geral

Sesi leva a Dourados especialista francês em carnes e derivados

No âmbito da cooperação internacional com o ECTI (Echanges et Consultations Techniques Internationaux), uma associação francesa sem fins lucrativos que atua na difusão de conhecimentos e práticas atuais junto a países em desenvolvimento em diversos segmentos da indústria, o Cetec Senai Dourados trouxe o especialista francês na área de carnes e derivados Jean Yves Rozé. […]

Arquivo Publicado em 16/09/2010, às 19h04

None

No âmbito da cooperação internacional com o ECTI (Echanges et Consultations Techniques Internationaux), uma associação francesa sem fins lucrativos que atua na difusão de conhecimentos e práticas atuais junto a países em desenvolvimento em diversos segmentos da indústria, o Cetec Senai Dourados trouxe o especialista francês na área de carnes e derivados Jean Yves Rozé.


Desde segunda-feira (13/09), ele está em Dourados desenvolvendo diversas atividades para capacitar o corpo técnico do Cetec Senai e difundindo práticas atuais de fabricação por meio de visitas às indústrias do setor na região, além de treinamento técnico e prático para profissionais da área de processamento de alimentos.


Nos dias 23 e 24 de setembro, no Cetec Senai Dourados, Jean Rozé também participará do Workshop de Cooperação Internacional – Tendências e Tecnologias no Processamento de Carnes, que será aberto à comunidade. “Esse é um importante passo que o Senai dá para contribuir com o desenvolvimento industrial do Estado, cumprindo com sua missão”, disse Gilberto Schaedler, gerente do Cetec Senai Dourados.


Segundo o especialista francês, a região tem muito potencial para crescer nas técnicas de industrialização desde que cumpram com o rigor necessário para atender as exigências de sanidade do produto e qualidade. “O Senai é um auxílio para essas empresas aperfeiçoarem essas técnicas e qualificar seus funcionários nas boas práticas de fabricação. A associação ECTI tem a intenção de favorecer a transferência de tecnologia, não trazemos a solução pronta, mas detectamos como se pode fazer melhor”, disse.

Jornal Midiamax