Esportes

Tio de MS que ‘descobriu’ Talita para o vôlei acompanha jogos no Rio

Primos e tia também se organizaram para torcer na cidade sede

Midiamax Publicado em 11/08/2016, às 19h40

None
melao.jpg

Primos e tia também se organizaram para torcer na cidade sede

A torcida da jogadora aquidauanense Talita Antunes vai muito além da arquibancada da arena olímpica no Rio de Janeiro. A descoberta de seu talento para o vôlei e os principais incentivadores são do Mato Grosso do Sul, especialmente das cidades de Aquidauana, onde moram tias e avós, e da Capital, Campo Grande, onde vive seu primeiro técnico, o tio Luiz Alberto Antunes, o 'Melão'.

Irmã, mãe, tios e primos. A distribuição de familiares em estados e países diferentes não são problemas quando o assunto é apoiar a jogadora. A bióloga Rosania Antunes ficou em Aquidauana para cuidar dos avós de Talita. Ela conta que o primeiro jogo acompanhado pela televisão foi uma verdadeira festa. 

"No primeiro jogo reuniram os amigos, vizinhos e o restante da família na casa dos meus país. Foi colocado até um telão na varanda da casa. Fiquei para cuidar dos meus pais, mas até meu filho Rafael, que mora na Alemanha viajou para o Rio para apoiar a prima", conta.

INFÂNCIA E DESCOBERTAS
Rosania disse ao Jornal Midiamax que o gosto pelo esporte é de infância e foi próprio tio, que descobriu o talento da sobrinha. A tia ressalta que Talita é muito ligada aos avós e sempre que pode passa o natal e ano novo com os familiares.

"Quando ela pegava a bola de vôlei não largava, e foi meu irmão Melão como técnico de vôlei que viu que ela tinha habilidades e tinha potencial. Sempre que dá na agenda dela ela vem passar o o natal e ano passado, assim como no ano passado. Isso é sagrado", disse a tia.

Melão está no Rio de Janeiro, com a filha acompanhando de perto as disputas. Ele contou à reportagem que a descoberta ocorreu quando Talita tinha apenas oito anos de idade.

"Ela cresceu com a gente e percebi que ela tinha nascido para o vôlei ainda criança, eu tinha 20 anos e ela oito. Depois disso, já adulta com a falta de investimentos para o esporte em Mato Grosso do Sul ela foi para Maceió", disse.

Rosana Antunes, que é assistente social, demorou para decidir se viajaria ou não. Segundo ela, o receio da diversidade de culturas em um só lugar, quase a desencorajorou, mas o amor pela sobrinha falou mais alto.

"Estamos eu e meu filho aqui. Eu decidi que viria no mês passado, pois estava com medo do choque de cultura e com o que encontraria aqui. Mas agora é só felicidade, essa competição com certeza é um sonho que será concretizado e só dela ter chegado até aqui já vale ouro", disse.

CINCO MELHORES ITENS DO MUNDO
O tio pontua que Larissa e Talita seguem invictas por carregarem os cinco melhores itens do mundo. "Larissa tem o melhor saque, defesa e levantamento do mundo, já Talita tem o melhor ataque e bloqueio. A própria Larissa disse que se não fosse dupla da Talita, ela seria sua maior adversária", disse.

Como técnico, o familiar segue confiante e alerta para a concentração. "Agora é concentrar, concentrar e concentrar. E isso elas já estão fazendo muito bem. Elas ficam alojadas na Escola de Educação Física do Exército para evitar a pressão da via olímpica, e claro é preciso curtir o que elas sabem fazer de melhor e levar com diversão. Afinal, jogar com uma torcida de 12 mil pessoas em uma arena não é para qualquer um, mas elas treinaram para aguentar essa competição", finalizou o tio.

DUPLA SOBERANA
A dupla brasileira Larissa e Talita ganharam com tranquilidade das polonesas Kolosinski e Brzostek por 2 sets a 0, na Arena do Vôlei de Praia, em Copacabana, na manhã desta quinta (11). Foram 2 sets a 0, com parciais 21/10 e 21/15 e com o resultado, as brasileiras terminam no topo do Grupo A e passam invictas à fase de oitavas de final. Agora, Larissa e Talita aguardam as definições das outras chaves e das próximas rivais. 

TALITA
Natural de Aquidauana, município a 143 quilômetros de Campo Grande, Talita mora no Rio de Janeiro há 12 anos. Em busca do sonho do ouro olímpico nas Olimpíadas do Rio, em 2016, a atleta deixou a casa e o marido, o técnico Renato França.

A jogadora iniciou sua carreira no vôlei de praia, em 2001, ao lado deJackie Silva que, junto com Sandra Pires, foram as primeiras mulheres brasileiras a conquistarem um ouro olímpico para o Brasil e o único até hoje no vôlei de praia feminino do País.

Além da campeã olímpica, Talita dividiu o mesmo lado da quadra com Renata, Tais, Gisele Gavio, Maria Elisa e Taiana. Com Renata, Talita disputou sua primeira olimpíada, em Pequim-2008, e terminou em quarto lugar. 

Jogando com Maria Elisa, representou novamente o Brasil em Londres-2012, ficando com a nona posição. Esta parceria rendeu ainda o título do Circuito Banco do Brasil Vôlei de Praia em 2009, mesmo ano em que conquistou o bronze no Campeonato Mundial. 

Em 2009 e 2010, a dupla ficara com o vice-campeonato no Circuito Mundial. Mesmo depois de encerrada a parceria, as duas reencontraram-se pela Seleção em 2013, quando venceram a primeira edição da World Cup, realizada no Brasil.

Em parceria com Taiana, Talita venceu pela primeira vez o Circuito Mundial, em 2013, bem como o Super Praia, em 2014, em sua primeira edição, assim como os Jogos Sul-Americanos no mesmo ano.

Individualmente, Talita sagrou-se a única tricampeã, ao lado de Sandra Pires, do tradicional torneio anual Rainha da Praia, vencendo em 2008 e, consecutivamente, em 2013 e 2014. 

Além disso, foi eleita a Melhor Jogadora do Circuito Banco do Brasil Vôlei de Praia da temporada 2013/2014. Em 2013, foi escolhida Melhor Atacante, Melhor Jogadora Ofensiva e Atleta de Melhor Bloqueio do Circuito Mundial 2013, competição em que fora a Revelação em 2005. 

Foi também o Melhor Ataque do Circuito Banco do Brasil Vôlei de Praia em 2006, 2009 e na temporada 2013/2014 e o Melhor Bloqueio em 2008 e 2009. Faturou ainda o prêmio de Melhor Atleta do Vôlei de Praia em 2013 pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB).

Jornal Midiamax