Esportes

Romário é eleito presidente da CPI do Futebol em Brasília

CPI investigará denúncias de irregularidades na Confederação Brasileira de Futebol

Isaias Domingues Publicado em 14/07/2015, às 17h28

None
romario.jpg

CPI investigará denúncias de irregularidades na Confederação Brasileira de Futebol

 senador do PSB/RJ Romário foi eleito por aclamação nesta terça-feira presidente da CPI do Futebol, que investigará denúncias de irregularidades na Confederação Brasileira de Futebol (CBF). O ex-jogador havia manifestado intenção de comandar a Comissão Parlamentar de Inquérito. O relator da CPI será o senador Romero Jucá – PMDB/RR.

“Acabamos de abrir os trabalhos da CPI do Futebol. Espero que com essa CPI possamos repaginar, modernizar e moralizar o que vem acontecendo no nosso futebol”, postou Romário nas redes sociais.

Serão 11 titulares e oito suplentes. A CPI terá 180 dias para investigar possíveis irregularidades em contratos feitos para a realização de partidas da seleção brasileira de futebol, de campeonatos organizados pela CBF, assim como para a realização da Copa das Confederações em 2013 e da Copa do Mundo de futebol de 2014.

O limite de despesas da comissão será de R$ 100 mil.

Romário foi quem pediu a criação da CPI do Futebol, aberta no fim de maio, dias depois da prisão de sete dirigentes da Fifa, na Suíça, entre eles o ex-presidente da CBF, José Maria Marin, que continua detido em Zurique.

Em junho, o Baixinho acionou ex-jogadores consagrados no sentido de buscar soluções. Romário conversou com Tostão, Cafu, Zico, Ronaldo e até mesmo com Pelé, com quem teve divergências passadas.

“Uma pessoa em sã consciência não poderia falar o que o Pelé falou [quando apoiou a reeleição de Blatter à Fifa]. Acho que ele deve ter ficado, mais uma vez, bastante arrependido. Mas não podemos esquecer que ele é o Pelé e de tudo que ele representa para o futebol. Por isso, faria esse convite (para a reunião de jogadores) com a maior honra”, disse. 

Jornal Midiamax