Esportes

Fórmula 1 acaba com ‘perseguição’ online e se rende às mídias sociais

Categoria perdeu 20% de audiência de 2008 para cá

Midiamax Publicado em 25/04/2015, às 14h55

None
f1.jpg

Categoria perdeu 20% de audiência de 2008 para cá

O ceticismo do chefão Bernie Ecclestone com as mídias sociais continua, mas a Fórmula 1 está passando por uma verdadeira revolução na maneira como disponibiliza seu conteúdo online. De um novo site, com conteúdo exclusivo para assinantes, ao fim da perseguição à divulgação de vídeos no YouTube, a categoria vem buscando formas de se recuperar após quedas sucessivas de audiência na TV. A categoria perdeu cerca de 20% dos espectadores de 2008 para cá.

Os detentores dos direitos comerciais da categoria acordaram depois de verem o crescimento do interesse gerado pelas equipes e pilotos nas mídias sociais. Segundo dados da Repucom, as citações aumentaram em 54% ano passado e o número médio de posts sobre a Fórmula 1 é de 1,35 milhão em média, com picos de 2,5 milhões.

A Fórmula 1 passou a usar seu twitter oficial de maneira mais efetiva em setembro de 2014, apesar da conta ter sido aberta ainda em 2009. Atualmente, são 1,3 milhão de seguidores. A maior conta da categoria é do atual campeão do mundo, Lewis Hamilton, com 2,7 milhões de seguidores. O esporte, contudo, está bem longe dos maiores astros das mídias sociais: o jogador do Real Madrid, Cristiano Ronaldo, é o esportista mais seguido no twitter, com mais de 35 milhões de fãs.

No twitter, a estratégia tem sido divulgar dados estatísticos e informações técnicas, além de atrair a participação dos fãs, relembrando corridas clássicas. Mas a grande mudança em 2015 foi no YouTube. Além do lançamento de um canal oficial, às vésperas do início da temporada, a perseguição ao compartilhamento de conteúdo já não existe mais. Hoje é possível encontrar vídeos de corridas completas nas contas de vários usuários. Até o ano passado, estes vídeos eram constantemente barrados. Em 14 de março, a categoria também passou a usar o Instagram e soma 67,5 mil seguidores.

Foco ainda é TV

O que não dá para esperar, pelo menos por enquanto, é que se possa assistir às corridas online pelos meios oficiais. Isso porque Ecclestone deixa claro que só concordou com os avanços nas mídias sociais porque espera que isso ajude nas audiências da TV.

Os contratos com as emissoras são uma das grandes fontes de lucro da FOM, empresa que cuida dos direitos comerciais da categoria e que é administrada por Ecclestone. “Fico surpreso com o número de pessoas que usam nosso aplicativo. Não sei por que. O que as mídias sociais fazem?”, questiona o promotor, de 84 anos. “Não dá nenhum dinheiro. Precisamos manter nossa audiência na TV e precisamos que os promotores vendam mais ingressos. Essa é a prioridade. E não sei se as mídias sociais ajudam nisso.”

Mesmo com a resistência e a demora, Ecclestone diz ter concordado em investir mais em mídias sociais “porque me dizem que seria bom, melhor que aspirina”.

A missão de tornar a categoria mais acessível em novas mídias é de Marissa Pace, Manager de Mídia Digital da FOM, que promete a entrada oficial da categoria no Facebook “após serem resolvidas questões legais”, mas também enfatiza a diretriz de usar as mídias sociais para aumentar a audiência na TV. “Podemos usar nosso site para saber de onde as pessoas estão acessando e adequar o conteúdo. Se você assistir um vídeo, por exemplo, na Alemanha, pode ter a indicação de que a corrida será transmitida na RTL a partir do horário tal. O foco é promover a TV.”

Outra prioridade é melhorar a experiência de quem vê a corrida no circuito. “Temos atualmente a transmissão da BBC Radio no aplicativo para que as pessoas nas arquibancadas também possam ouvir. E também disponibilizamos as informações sobre as corridas”, salienta Pace.

Jornal Midiamax