Cotidiano / Economia

Número de pessoas com dívidas em atraso bate recorde em Campo Grande

O número de pessoas com contas em atraso bateu recorde em Campo Grande, de acordo com dados da Peic (Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor), da CNC (Confederação Nacional do Comércio) Conforme o levantamento, em dezembro, 112.638 pessoas declararam estar com contas em atraso. O número é o maior dos últimos dois anos – […]

Gabriel Maymone Publicado em 07/01/2021, às 13h08

Número de pessoas com contas em atraso bate recorde em Campo Grande. (Foto: Leonardo de França, Midiamax)
Número de pessoas com contas em atraso bate recorde em Campo Grande. (Foto: Leonardo de França, Midiamax) - Número de pessoas com contas em atraso bate recorde em Campo Grande. (Foto: Leonardo de França, Midiamax)

O número de pessoas com contas em atraso bateu recorde em Campo Grande, de acordo com dados da Peic (Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor), da CNC (Confederação Nacional do Comércio)

Conforme o levantamento, em dezembro, 112.638 pessoas declararam estar com contas em atraso. O número é o maior dos últimos dois anos – conforme dados disponíveis.

No total, são 193.366 pessoas que declararam possuir algum tipo de dívida, sendo que 112.638 estão com alguma conta em atraso e 37.242 informaram que não terão condições de pagá-las.

A pesquisa mostra que, entre os pesquisados, 38% consideram estar mais ou menos ou muito endividados, enquanto que 40,5% afirmam não ter algum tipo de dívida como cartão de crédito, carnês de lojas ou prestação de carro.

Dos que possuem dívidas, 76,9% declararam ter contas de cartão de crédito, 29,8$ de carnês de loja e 12,6% de financiamento de carro. O restante possui outros tipos de contas.

Questionados sobre condições de pagar as dívidas no próximo mês, apenas 19,2% declaram conseguir quitar as contas. Outros 19,75 afirmam que vão pagar algumas e 27,45 não souberam responder.

Quase metade dos entrevistados que possuem dívida disseram que estão com conta em atraso por mais de três meses. Já entre 30 e 90 dias são 33% dos endividados.

Jornal Midiamax