Cotidiano / Economia

Auxílio emergencial: pagamento do benefício deve começar até 6 de abril

O novo auxílio emergencial deve começar a ser pago daqui a 15 dias, entre 5 e 6 de abril. Foi o que indicou nesta segunda-feira (22) o ministro da Cidadania, João Roma Neto, que promete divulgar o cronograma completo de pagamentos nos próximos dias. “O calendário do pagamento nós vamos divulgar até o início da próxima […]

Mariane Chianezi Publicado em 22/03/2021, às 17h48

Novo auxílio emergencial. (Foto: Reprodução)
Novo auxílio emergencial. (Foto: Reprodução) - Novo auxílio emergencial. (Foto: Reprodução)

O novo auxílio emergencial deve começar a ser pago daqui a 15 dias, entre 5 e 6 de abril. Foi o que indicou nesta segunda-feira (22) o ministro da Cidadania, João Roma Neto, que promete divulgar o cronograma completo de pagamentos nos próximos dias.

“O calendário do pagamento nós vamos divulgar até o início da próxima semana, mas já posso antecipar que o pagamento ocorrerá a partir do início do mês de abril. Aproximadamente entre 5 e 6 de abril, nós já buscamos viabilizar o início do pagamento do auxílio emergencial”, disse João Roma Neto, em entrevista a uma rádio baiana nesta segunda-feira.

Ainda de acordo com o ministro, as 45,6 milhões de famílias que devem ser beneficiadas pelo novo auxílio emergencial receberão a ajuda ainda no mês de abril. Os beneficiários do Bolsa Família que têm direito ao auxílio, por exemplo, vão receber nas datas já estabelecidas pelo cronograma de pagamentos do Bolsa Família, que, em abril, começa no dia 16 e vai até o dia 30.

O novo auxílio emergencial será pago ao longo de quatro meses, de abril a julho. Nesse período, o governo ainda pode avançar com a vacinação contra a covid-19 dos trabalhadores informais, segundo o ministro da Economia, Paulo Guedes, para que, passado o período de pagamento do auxílio, esses brasileiros possam retomar suas atividades de forma segura, imunizados do novo coronavírus.

Ainda nesta segunda-feira, Guedes explicou que os brasileiros de baixa renda querem trabalhar para garantir o sustento de suas famílias. Roma Neto admitiu, ainda, que os valores do novo auxílio emergencial, que vão de R$ 150 a R$ 375, “não são suficientes” para garantir a subsistência dos brasileiros. Porém, pontuou que esses foram os valores “viáveis” neste ano.

Jornal Midiamax