Cotidiano / Economia

Altas temperaturas e falta de chuva prejudicam safra do milho em MS

A área plantada do milho em Mato Grosso do Sul teve redução na safra 19/20. Trata-se de um período atípico, revelou a Aprosoja-MS (Associação dos Produtores de Soja de Mato Grosso do Sul). Além da redução na safra, a área plantada também perdeu espaço. Conforme a Federação de Agricultura e a Aprosoja-MS, outros fatores contribuem […]

Cleber Rabelo Publicado em 01/06/2020, às 15h28

Reprodução, Agência Brasil
Reprodução, Agência Brasil - Reprodução, Agência Brasil

A área plantada do milho em Mato Grosso do Sul teve redução na safra 19/20. Trata-se de um período atípico, revelou a Aprosoja-MS (Associação dos Produtores de Soja de Mato Grosso do Sul).

Além da redução na safra, a área plantada também perdeu espaço. Conforme a Federação de Agricultura e a Aprosoja-MS, outros fatores contribuem para os impactos que o setor vem enfrentando neste ano. A informação é de que a área plantada poderá reduzir em aproximadamente 9,02%, em comparação à safra 18/19, passando de 2,173 milhões para 1,977 milhões de hectares.

O presidente da Aprosoja-MS, André Dobashi, conta que a associação esperava uma redução menor. “A gente estava esperando uma redução na casa dos 9%, é o que a Aprosoja-MS vem divulgando desde que percebeu um atraso na semeadura da soja, e sempre que isso acontece influencia grandemente na semeadura da segunda safra no Mato Grosso do Sul”, disse.

Ainda conforme Dobashi, as altas temperaturas e a falta de chuva se tornaram um problema para a produção. “Nós tivemos na primeira semana de maio, um frio já importante. Observamos geadas, principalmente no sul do estado e, antes disso, a gente vinha vindo de estiagem de mais de 20 dias, isso foi extremamente importante para o milho, observamos sintomas de estresse hídrico no milho”, comentou.

O milho, que é um importante elemento na cadeia produtiva da carne, encerrou a primeira quinzena de maio com valorização de 3,86% em relação ao início do mês, e segundo o levantamento já teve cerca de 40% da produção comercializada em mato grosso do sul, considerando o mesmo período de safrinha do ano anterior.

Conforme a Aprosoja-MS, o Estado espera manter a mesma produtividade média do ano passado frente à redução de área, e assim como em outras regiões, a exemplo do mato grosso, os resultados serão positivos.

Jornal Midiamax