Cotidiano / Consumidor

Bandeira amarela reduz 8,5% na conta do consumidor da Tarifa Social em MS

Para os demais consumidores segue em vigor, até abril de 2022, a bandeira escassez hídrica

Mariane Chianezi Publicado em 03/11/2021, às 17h03

None
Ilustrativa

A Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) anunciou na última sexta-feira (29) a bandeira tarifária amarela no mês de novembro para os consumidores que recebem o benefício da Tarifa Social de Energia Elétrica, isso significa uma redução de 8,5%, em média, nas contas em Mato Grosso do Sul. Para os demais consumidores segue em vigor, até abril de 2022, a bandeira escassez hídrica, o maior patamar de valores.

A bandeira amarela equivale ao pagamento de R$ 1,87 para cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. Em Mato Grosso do Sul, na área de concessão da Energisa, o valor do khw para estes consumidores, já com tributos e a bandeira amarela, sai a partir de R$ 0,74, na primeira faixa de consumo, que é de  50kwh mensais, a R$ 1,07 na faixa de 600kwh.

“Lembramos que a bandeira amarela não usufrui do desconto de 3 pontos percentuais no ICMS, determinada pelo governo estadual e que a Cosip usada como base para o cálculo é a de Campo Grande. Ao mesmo tempo, aproveitamos para lembrar que o consumidor pode ter uma economia importante se conseguir reduzir o consumo até dezembro e aproveitar o Incentivo à Redução Voluntária do Consumo de Energia Elétrica”, destaca a presidente do Concen (Conselho dos Consumidores da Área de Concessão da Energisa MS), Rosimeire Costa.

Para ter direito ao bônus, o consumidor precisará reduzir o consumo de energia elétrica nos meses de setembro a dezembro de 2021, de tal forma que a soma dos consumos de energia elétrica no período seja ao menos 10% menor, em relação à soma verificada no mesmo período de 2020. O limite de bônus é de 20% de economia.  São R$ 0,50 por quilowatt-hora (kWh) do total da energia economizada entre setembro e dezembro de 2021 em relação ao mesmo período de 2020. “É um impacto significativo, especialmente no momento em que atravessamos”, reforça a presidente do Concen.

Jornal Midiamax