Cotidiano

De integrante de facção à empresário: trabalho na prisão fez Roberto abrir a própria empresa

'Posso dizer que agora sou o herói dos meus filhos', diz empresário

Fábio Oruê Publicado em 02/01/2022, às 23h29

None
Foto: Divulgação

Roberto Faiçal passou de membro de uma facção criminosa a empresário bem-sucedido graças à oportunidade de trabalho oferecida durante o cumprimento da pena. A ressocialização oferece oportunidades para internos em Mato Grosso do Sul. 

Em livramento condicional há mais de três anos, ele atua como eletricista e até conseguiu abrir a própria empresa. O projeto dele é utilizar a experiência adquirida para oferecer oportunidades a outros reeducandos, empregando, no futuro, mão de obra prisional.

Além de ensinar uma profissão e oferecer uma oportunidade para que os condenados não voltem a cometer crimes, o uso de mão de obra prisional também reduz o custo da massa carcerária aos cofres públicos, por meio da remição da pena. Em MS, 34% dos presos possuem uma ocupação produtiva. São mais de 7 mil detentos que trabalham no Estado.

Faiçal trabalhava por meio do projeto “Pintando e Revitalizando a Educação com Liberdade” e, mesmo após ser desligado com o benefício do livramento condicional, continuou prestando seus serviços. “Ganhei credibilidade e confiança pelo trabalho que venho executando desde 2017. Agora fui contratado e já estou atuando na reforma da sexta escola consecutiva”, contou.

Cumprindo pena há 17 anos, ele acredita que a ressocialização é possível através de oportunidades como essa. “Sou prova disso. O projeto transforma o ser humano, não é apenas transformação predial, é de caráter e de pessoas. Ele nos mostra que é possível ter uma vida diferente, basta abraçarmos a oportunidade. A experiência que adquiri aqui abriu novos horizontes para mim no campo comercial, profissional e conquistei o mercado de trabalho”, comemora o apenado, que atua como eletricista há mais de 26 anos.

De vilão a herói 

Pai de seis crianças, Faiçal se emociona ao lembrar de seu passado para chegar onde está hoje. “Agora posso dizer que sou o herói deles, porque um dia vou contar a eles o que eu precisei passar para me tornar o homem que eu sou hoje. Na vida não podemos pegar atalhos, temos uma linha e ordem a ser seguida. Isso, eu quero ensinar a eles. Hoje olho para o meu passado e afirmo com muito orgulho: eu consegui. Cheguei até aqui e mudei completamente a minha vida”, revela.

Jornal Midiamax