Cotidiano

Trilheiros flagram casal de cobras Boipeva em gruta e registram evento raro em MS

Encontrar cobras juntas é raro ao longo do ano, mas especialista explica que serpentes estão em época de acasalamento

Mylena Rocha e Gabriel Neves Publicado em 28/07/2021, às 13h18

Trilheiros registraram cópula das cobras em Alcinópolis.
Trilheiros registraram cópula das cobras em Alcinópolis. - Reprodução/Tony Koch

Durante uma visita à Gruta Bonita, trilheiros flagraram a cena rara da cópula de duas serpentes Boipeva, em Alcinópolis, a 387 km de Campo Grande. A cena chamou a atenção, já que uma das cobras, também conhecida como capitão-do-campo é maior do que a outra. Especialista explica que as serpentes estão em época de acasalamento. 

Avistar um casal de cobras não é tão comum, mesmo para quem já está habituado a fazer trilhas em grutas e matas. Foi por isso que os trilheiros resolveram registrar o momento em Alcinópolis. 

A professora do Instituto de Biociências da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), Vanda Ferreira, explica que apesar de tamanhos diferentes, as serpentes são da mesma espécie: Boipeva. A professora comenta que as serpentes fêmeas, geralmente, são maiores para acomodar os filhotes ou os ovos, dependendo se são vivíperas ou ovíperas.

“Neste caso [da foto], a desproporção acontece porque, provavelmente, o macho está na maturação sexual dele e a fêmea já é mais velha”, diz a especialista.

Ferreira explica que a cobra, também conhecida como capitão-do-campo, só tem uma espécie no Brasil inteiro. “Mas ela tem muita variação de malha. Ela tem essa variação dessa foto, tem vermelha, dourado, preta, é bem variada”.

Mas, afinal, os trilheiros deveriam ter medo? A professora afirma que não. Embora seja agressiva, a cobra Boipeva não é peçonhenta.

Jornal Midiamax