Cotidiano

SES alerta para febre maculosa, doença transmitida por carrapato encontrado em capivaras

Homem de 33 anos faleceu após ser infectado em estado vizinho.

Dândara Genelhú Publicado em 25/05/2021, às 14h20

None
Foto: Reprodução.

Nesta terça-feira (25), a SES (Secretaria de Estado de Saúde), por meio do Cievs (Gerência Técnica de Zoonoses e do Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde), emitiu nota de aviso sobre a Febre Maculosa. A doença é transmitida pelo carrapato-estrela, que vive principalmente em capivaras, animal comum em Mato Grosso do Sul.

O alerta foi feito após a morte causada pela Febre Maculosa em Itaúna, município de Minas Gerais, vizinho de Mato Grosso do Sul. O óbito do homem de 33 anos ocorreu no dia 28 de abril, um dia após a internação do paciente.
“Os primeiros sintomas da doença apareceram cinco dias antes, no dia 23, de acordo com a Secretaria de Saúde do município de Itaúna”, informa a SES. De acordo com a Secretaria, a febre maculosa é causada pela picada de carrapatos infectados com a bactéria Rickettsia rickettsii. Após ser picado, um ser humano pode ter inflamação do cérebro, paralisia e insuficiência respiratória ou renal, além de afetar órgãos como o coração, fígado, baço e pâncreas.

Os principais sintomas são febre alta, mal estar generalizado, dores de cabeça e abdominais, náusea, vômito, diarréia e manchas avermelhadas pela pele. Em MS, o último caso registrado foi em fevereiro de 2018, em um homem de 34 anos, residente em Campo Grande.

Ele tinha histórico de viagem para área rural do município de Sidrolândia. Para quem se infecta há cura, mas o tratamento apropriado deve ser iniciado logo após o surgimento dos primeiros sintomas.

O diagnóstico é realizado por meio de exames de sangue, PCR ou Sorologia. Para se previnir, basta usar calças, botas e blusas com mangas compridas ao caminhar em áreas arborizadas e gramadas, evitar andar em locais com grama ou vegetação alta; usar repelentes e quando em área de risco, verificar a presença de carrapato no corpo.

Casos suspeitos deve ser notificados para a Secretaria. Então, quem estiver na dúvida se já foi infectado ou está, ligue para (67) 3318-1847 ou mande um e-mail para gtzoonosesms@outlook.com.

Jornal Midiamax