Cotidiano

Segurança, saúde e educação: os desafios de Ribas para frear as mazelas do crescimento 'explosivo'

A cidade já começa a sofrer com violência e lotação em hospital

Lucas Mamédio Publicado em 22/09/2021, às 07h00

Prefeito João Alfredo apontando mapa da cidade
Prefeito João Alfredo apontando mapa da cidade - (Foto: Leonardo França)

Todo desenvolvimento tem um preço, na maioria das vezes, proporcional a sua dimensão. Esse está sendo o principal dilema de Ribas do Rio Pardo, a 97 quilômetros de Campo Grande. Ainda em meio à euforia após o anúncio da instalação de fábrica de celulose Suzano, uma gigante do seguimento, o Poder Público, as instituições e a população tentam não ser tragados pela enxurrada de coisas boas e ruins que acontecem concomitantemente.

Em dois meses de obras, já são 1,5 mil funcionários, que trazem consigo outras pessoas e famílias para atender a demanda criada por eles. O número deve aumentar rapidamente, quando, já em 2022, cerca de 10 mil estarão trabalhando na construção da fábrica.

“Nós não estávamos e ainda não estamos preparados para essa mudança. Esse aumento populacional impacta na saúde, na educação e muito na segurança pública também”, admite o prefeito João Alfredo Danieze (PSOL).

[Colocar ALT]
Hospital Municipal de Ribas deve dobrar de tamanho (Foto: Divulgação)

Com 27 mil habitantes, segundo último levantamento do IBGE, Ribas projeta um crescimento populacional na ordem de 33%. E apesar da perspectiva do impacto meio ser no futuro, a cidade já sente os reflexos negativos.

Segurança

Um dos mais imediatos é o da segurança pública. Confusões em estabelecimentos lotados, uso e tráfico de droga e pequenos delitos como furtos e roubos já começam a ter registros.

Até por isso as forças de segurança do Estado já estão se movimentando pata atender especificamente a cidade. A Polícia Militar fez mudança no comando na cidade. Em nota a PM disse que está a par das demandas de segurança pública com a instalação da empresa de celulose.

“Para tanto, a Polícia Militar está alinhada com o Governo do Estado no que diz respeito ao aumento do efetivo na cidade, bem como a construção de uma nova sede para a PM”.

Já a Polícia Civil informou que está atenta ao crescimento populacional da cidade, mas disse que estratégias para as adequações necessárias serão debatidas no âmbito da Secretaria de Segurança. Procurada por nossa reportagem, a Sejusp disse que a própria Polícia Civil poderia responder sobre as estratégias de adequação, o que não aconteceu.

[Colocar ALT]
Fachada do bar de Carivaldo da Silva (Foto: Leonardo França)

Seo Carivaldo da Silva, de 67 anos, é dono de uma mercearia/bar que fica a duas quadras de um dos alojamentos dos trabalhadores da obra da Suzano. Ele montou o estabelecimento há dois meses justamente para atender o público alocado na região. Apesar da satisfação pelas vendas, o comerciante chama atenção para os problemas que surgem nos finais de semana.

"Aqui lota bastante final de semana. De vez em quando pegamos gente usando droga no banheiro, já aconteceram algumas brigas também, até por isso não deixamos beber aqui dentro, só na frente". 

Saúde

O Hospital Municipal de Ribas do Rio Pardo é o único da cidade. Fora isso, o município conta com mais cinco unidades de saúde. Ainda segundo o prefeito, o hospital já vem sentindo os efeitos do aumento populacional, mas salientou que faz parte do acordo com a Suzano, uma contrapartida financeira específica para ampliação da capacidade de atendimento.

“Devemos começar as obras no ano que vem. A intenção é duplicar o tamanho do hospital”, disse João Alfredo.

Contrapartida da Suzano

Uma das primeiras ações já em curso foi a inclusão do município de Ribas do Rio Pardo no Programa Suzano de Educação, cujo objetivo é apoiar a evolução da educação pública nas cidades parceiras do projeto. Segundo a empresa, o programa investe na qualidade do ensino público, por meio do desenvolvimento profissional dos educadores e do envolvimento comunitário com foco na aprendizagem dos estudantes. Para isso, a iniciativa atua de forma conjunta com secretarias de educação, escolas, estudantes, famílias e comunidade para enfrentar os desafios educacionais e construir, em parceria, soluções para Educação.

Outro exemplo de contrapartida informada pela empresa é o programa Movimento Agente do Bem, também uma parceria entre a empresa e a administração municipal, que já foi assinada no início de setembro. Trata-se de um conjunto de ações de promoção dos direitos humanos no município, perpetuando um legado social na cidade que vai se estender inclusive para o período pós-construção.

O Agente do Bem tem como objetivo mobilizar todos os setores da sociedade local para participar de ações de proteção dos direitos de crianças e adolescentes no município. Em Ribas do Rio Pardo, a iniciativa também incluirá ações para a proteção dos direitos das mulheres em decorrência do aumento do número de casos de violência doméstica que tem sido registrado em boa parte do Brasil na pandemia de Covid-19.

Jornal Midiamax