Cotidiano

Prefeitura define nesta sexta o que poderá funcionar em Campo Grande na semana de ‘fecha tudo’

Campo Grande publica um decreto sobre o ‘feriadão’ antecipado. A lista de serviços que poderão abrir as portas ainda está sendo definida. 

Mylena Rocha Publicado em 19/03/2021, às 08h02 - Atualizado às 11h42

(Foto: Henrique Arakaki)
(Foto: Henrique Arakaki) - (Foto: Henrique Arakaki)

Como medida para frear o avanço do coronavírus, Campo Grande publica um decreto nesta sexta-feira (19) com detalhes sobre o ‘feriadão’ antecipado. Feriados de abril, junho, agosto e setembro serão antecipados entre os dias 22 a 26 de março para que as pessoas fiquem em casa. O feriado deve funcionar para todos, não somente os funcionários públicos. A lista de serviços que poderão abrir as portas ainda está sendo definida. 

Na prática, o feriado antecipado vai funcionar como uma alternativa ao lockdown, para evitar que as pessoas tenham que sair às ruas. O procurador-geral do município Alexandre Ávalo explica que a lista de serviços que poderão continuar abertos durante o feriado ainda está sendo discutida.

“Não vamos trabalhar com a expressão ‘serviços essenciais’, não vamos utilizar essa expressão. Vamos listar aqueles que vão poder funcionar excepcionalmente nestes dias”, pontua.

O decreto deve ser publicado ainda nesta sexta-feira (19), possivelmente durante a tarde. O feriado antecipado deve funcionar como um feriado municipal, ou seja, todos os estabelecimentos que não estiverem na lista devem fechar as portas. Até mesmo os órgãos estaduais e federais devem ficar fechados. 

Alternativa ao lockdown

O prefeito Marquinhos Trad (PSD) anunciou na tarde de quinta-feira (19) que descarta lockdown, mas que decidiu antecipar feriados para a semana que vem. De segunda (22) a sexta-feira (26), só poderão funcionar serviços listados no decreto. 

Marquinhos disse que não foi decretado lockdown na cidade porque a avaliação é que diminuindo o horário de circulação das pessoas na cidade com a antecipação dos feriados, haverá diminuição do contágio.

“Não há necessidade de lockdown. Há a necessidade de um prazo para evitarmos esse colapso. Acontece que as pessoas que ocupam os leitos de UTI, muitos deles não vem da Covid, a gente evitando a circulação de pessoas e diminuindo os horários da noite, podemos cuidar de quem está com Covid”, disse o prefeito.

Risco extremo para coronavírus

Nesta quinta-feira, Campo Grande foi classificada com a bandeira cinza e tem risco extremo para transmissão do coronavírus em Mato Grosso do Sul. Campo Grande foi o único município classificado com a bandeira cinza no Estado. De acordo com os dados desta quinta, em 24 horas foram 31 mortes  e 1,2 mil novos casos em Mato Grosso do Sul.

Com a classificação de risco extremo para Covid-19, a orientação do Prosseguir é de que somente atividades essenciais funcionem em Campo Grande. Serviços essenciais são aqueles que não podem parar, como coleta de lixo, atividades de saúde, serviços de entrega de alimentos, produtos de higiene e medicamentos, por exemplo.

Valelembrar que Mato Grosso do Sul atingiu o pico de internações nesta quinta-feira (18), com 956 pacientes internados em leitos clínicos e de UTI (Unidade de Terapia Intensiva). Somente na macrorregião de Campo Grande, a taxa de ocupação de leitos é de 107%.

Jornal Midiamax