Cotidiano

Por Covid-19 ou não, saiba como se despedir com segurança de quem faleceu na pandemia

Prefeitura de Campo Grande faz recomendações para quatro cenários diferentes de falecimento

Dândara Genelhú Publicado em 26/04/2021, às 16h31

Recomendações variam de acordo com a causa da morte.
Recomendações variam de acordo com a causa da morte. - Foto: Arquivo | Midiamax

Muitos hábitos precisaram ser mudados por causa do coronavírus, um deles é o funeral. Mesmo que o ente não tenha falecido devido à Covid-19, alguns cuidados e recomendações da Prefeitura Municipal de Campo Grande devem ser mantidos. 

Para garantir a segurança da população, a Prefeitura fez uma série de recomendações para funerais que acontecem na Capital. São considerados quatro cenários: pessoas falecidas por Covid-19, suspeitas ou confirmadas de Covid-19 que já passaram do período de transmissão, pessoas com suspeita de Covid-19 e pessoas que não faleceram por causa do coronavírus.

Confira quais as recomendações para funerais, estipuladas pela Resolução da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde) nº 567, de 4 de novembro de 2020 da Prefeitura de Campo Grande:

Para funerais gerais, corpos com mortes por outras causas que não Covid-19

  • Mesmo que a pessoa não tenha falecido por causa do coronavírus, algumas medidas são recomendadas para evitar uma possível proliferação da Covid-19 em Campo Grande. 
  • Então, os funerais deverão ocorrer com o menor número possível de pessoas, preferencialmente apenas os familiares mais próximos.
  • São recomendadas no máximo dez pessoas em enterros e velórios. Os velórios devem ter no máximo 2h de duração. 
  • Além disso, quem comparecer deve seguir as medidas de higiene das mãos e de etiqueta respiratória, em todas as circunstâncias.
  • Contato físico entre os participantes deve ser evitado, desde abraços e beijos até apertos de mão.
  • Pessoas dos grupos mais vulneráveis para a Covid-19, como crianças, idosos, grávidas e pessoas com imunossupressão ou com doença crônica não devem participar destas reuniões. 
  • Além disto, todas as pessoas sintomáticas respiratórias devem evitar ir até velórios e funerais. 

Para corpo confirmado com Covid-19 

  • Devido ao coronavírus e a transmissibilidade dele, pessoas confirmadas para Covid-19 que deveriam estar em isolamento e com período ativo de transmissão do vírus não devem ter velórios. A medida foi tomada para evitar aglomerações e diminuir a probabilidade de contágio. 
  • Assim, a Prefeitura recomenda que o corpo sem vida saia do local de falecimento direto para o sepultamento. Familiares e responsáveis devem respeitar o horário de funcionamento dos cemitérios públicos e particulares. 
  • Vale lembrar que o serviço funerário tem prazo de 48h para providenciar a documentação e apresentar no cemitério onde o corpo foi sepultado, caso ultrapasse esse prazo sofrerá as penalidades previstas em lei. 
  • Por causa da confirmação e do período de transmissão ativo, a recomendação é que o caixão seja mantido fechado durante o sepultamento. A medida é para evitar contato físico com o cadáver, pois o vírus permanece viável em fluidos corpóreos e superfícies ambientais. 
  • Por fim, as pessoas que estiverem presentes devem evitar qualquer contato físico, desde condolências com abraços e beijos, até mesmo apertos de mãos. Além disto, devem manter a distância mínima uns dos outros. 
  • No local devem ser disponibilizados água, sabonete líquido, papel toalhas e álcool em gel para higienização das mãos.

Para corpo confirmado para Covid-19 (fora da transmissão do vírus)

  • Para casos confirmados que estejam fora do período de transmissibilidade (após 20 dias de isolamento desde o início dos sintomas E pelo menos 24 horas sem febre E melhora dos sintomas), a Prefeitura estabelece critérios um pouco mais flexíveis. 
  • Assim, quando o corpo já está fora do período de transmissibilidade da doença, o manejo do corpo com protocolo Covid-19 com saco impermeável e urna lacrada pode ser suspenso. 
  • No entanto, é obrigatória uma declaração impressa em papel e assinada pelo médico que emite a DO (Declaração de Óbito). A declaração deve ser anexada nas vias branca e rosa da DO.
  • Modelo de declaração: ”Declaramos para os devidos fins que o paciente______________________________, registro geral ______________________, CPF __________________________, foi admitido neste hospital em ___/ ___/ 2020, tendo recebido o dignóstico de COVID-19 e, embora tenha evoluído a óbito hoje, já estava fora do período de transmissibilidade da doença.”

Para pessoas suspeitas de Covid-19

  • Para casos suspeitos cujo resultado é negativo anterior ao sepultamento, a Prefeitura estabelece regras próximas da de vítimas não relacionadas ao coronavírus. 
  • No entanto, é necessária a presença de laudo ou declaração médica hospitalar que comprove a outra causa do óbito.
  • Mediante resultado negativo para Covid-19, o corpo pode ser sepultado e velado de acordo com as recomendações para funerais gerais. 

As informações são as últimas publicadas e encontradas em buscas pelo Diogrande (Diário Oficial de Campo Grande). O Jornal Midiamax entrou em contato com a Prefeitura de Campo Grande, para saber se existem normas e recomendações mais recentes. Até a publicação da matéria não havia retorno, mas o espaço segue aberto para manifestações.

Jornal Midiamax