Cotidiano

No Dia Internacional do Enfermeiro, profissionais relataram esperança com vacinação em MS

Profissionais enfrentam duplas jornadas e buscam valorização

Mariane Chianezi Publicado em 12/05/2021, às 08h26

No dia 12 de maio é comemorado o Dia Internacional do Enfermeiro e da Enfermagem
No dia 12 de maio é comemorado o Dia Internacional do Enfermeiro e da Enfermagem - Reprodução

Comemorando o Dia Internacional do Enfermeiro e da Enfermagem, nesta quarta-feira (12), os profissionais da enfermagem no estado relatam as dificuldades enfrentadas no dia a dia e aguardam por dias melhores na profissão após mais de um ano na linha e frente na luta contra a Covid-19 em Mato Grosso do Sul.

Ver diariamente pacientes dando entrada no hospital e, inclusive, colegas de profissão sendo infectados pelo vírus, a enfermeira Kellen Bueno, 37 anos, atua no HRMS (Hospital Regional de Mato Grosso do Sul), afirma que o trabalho tem sido desgastante. Tanto fisicamente quando mentalmente.

[Colocar ALT]
Kellen foi uma das primeiras da equipe do HRMS a testar positivo para Covid-19. (Foto: Henrique Arakaki/Midiamax)

“Os momentos mais marcantes é estar cuidando de colegas de trabalho, as vezes do mesmo setor. Neste último ano a nossa profissão tem exigido controle emocional redobrado, persistência diária e, contudo, fé. Essa é a nossa única esperança para tempos melhores”, afirmou.

Kellen relata que as maiores dificuldades emocionais é ter que comunicar às famílias dos colegas de profissão quando há a necessidade de intubação. Para aqueles que comemoram o seu dia e estão incansavelmente na linha de frente da doença, a vacina para todos é a esperança de vencer a pandemia e conseguir ter uma ‘vida normal’ de volta.

[Colocar ALT]
Daniele trabalhou em equipe plantonista no HRMS durante a pandemia e hoje trabalha em maternidade | Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal

Daniele Lima dos Santos, de 43 anos, é enfermeira há três anos e em 2020, chegou a fazer parte da equipe do HRMS no socorro aos pacientes infectados. Ela comenta que a rotina na profissão não é fácil, com pouca valorização e cargas excessivas.

Hoje atuando na área da maternidade, ela comenta que os dias de plantonista no hospital referência na doença em MS não foi nada fácil. “Fiquei cerca de 6 meses. Era gente morrendo todo dia e ao contrário na maternidade, onde via vida nascendo todo dia, uma nova esperança com os bebês, por outro lado, a doença complicando tudo”, comentou.

Apesar de ter atuado no setor do HRMS de tratamento de pacientes com Covid-19, Daniele não chegou a ser infectada, mas presenciava todos os dias os companheiros de profissão ficando adoecidos com o vírus.

No Dia da Enfermagem e do Enfermeiro, a profissional torce por maior valorização e por dias melhores, onde o coronavírus não exista. “Muitos de nós trabalham em dois empregos para podem sustentar a família. Fazemos plantões dobrados para conseguir nos sustentar. Falo que precisamos para de romantizar que trabalhar em dois empregos é normal, porque não é. É desgastante”, disse a enfermeira.

A enfermeira diz que a chegada da vacinação é uma 'luz no fim do túnel' para o mundo e que após ver amigos e familiares morrendo da doença, a imunização é a única esperança de dias melhores.

Jornal Midiamax