Cotidiano

Nas últimas 24h, 56 pacientes de UPAs são transferidos para hospitais de Campo Grande

Com o avanço da pandemia, UPAs (Unidades de Pronto Atendimento) estão abrigando pacientes com dificuldade respiratória, sendo Covid-19 ou não. A situação é resultado da lotação dos leitos em Campo Grande. De acordo com o MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul), nas últimas 24h 56 pacientes internados nestas unidades foram transferidos para hospitais […]

Dândara Genelhú Publicado em 17/03/2021, às 18h41 - Atualizado às 18h46

UPA Coronel Antonino (Foto: Marcos Ermínio)
UPA Coronel Antonino (Foto: Marcos Ermínio) - UPA Coronel Antonino (Foto: Marcos Ermínio)

Com o avanço da pandemia, UPAs (Unidades de Pronto Atendimento) estão abrigando pacientes com dificuldade respiratória, sendo Covid-19 ou não. A situação é resultado da lotação dos leitos em Campo Grande. De acordo com o MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul), nas últimas 24h 56 pacientes internados nestas unidades foram transferidos para hospitais conveniados.

Entre as unidades hospitalares que receberam os pacientes das UPAs estão:  Hospital Universitário, Maternidade Cândido Mariano, El Kadri, Hospital do Câncer e Santa Casa. A informação foi passada pela promotora de Justiça da Saúde, Filomena Fluminhan.

Além disto, a promotora afirmou que o MPMS MPMS realizou vistorias e está confirmado que o Estado possui circulação de nova variante do coronavírus. Assim, ela lembrou que visitou a Santa Casa nesta semana e viu uma paciente de 34 anos, que estava entubada. Aproveitou para fazer o alerta de que todas as pessoas devem se cuidar, independente da idade.

Então, na ação de realocação de pacientes, foram tiradas 19 pessoas do HRMS (Hospital Regional de Mato Grosso do Sul) que estavam internadas em leitos improvisados. Estas foram encaminhadas para hospitais contratualizados pelo município e Estado.

Lotação nos leitos

Nas últimas 24h, 56 pacientes de UPAs são transferidos para hospitais de Campo Grande
Promotora durante coletiva. Foto: Leonardo de França | Midiamax.

“Aqui na Capital, a nossa ocupação está em praticamente 100%. A demanda é muito diferente da anterior e Campo Grande não está recebendo pacientes do interior”, ressaltou a promotora. Ela disse que municípios com superlotação, exceto Corumbá, já estão solicitando vagas por não conseguirem atender os infectados.

Assim, uma reunião foi feita com promotores de todo o estado na última semana. A promotora explicou que todos os municípios e comarcas estão empenhadas em realizar a ampliação de leitos. Porém, ela comentou que o Estado está “com falta de recursos humanos, insumos e medicamentos”.

Nesta quinta-feira (18), os 120 leitos da Unidade do Trauma da Santa Casa passarão a atender apenas pacientes Covid-19. São 90 clínicos e 30 de UTI. Nesta quarta-feira (17), também estão sendo ativados mais 15 leitos de retaguarda no Hospital São Julião, totalizando 54 novos leitos abertos nas duas últimas semanas.

Assim, 12 leitos de UTI exclusivos para pacientes SUS foram disponibilizados na Clínica Campo Grande, sete semicríticos no Hospital de Câncer, 10 leitos de UTI no Hospital do Pênfigo e 10 leitos no Hospital El Kadri.

Fiscalização dos coletivos

Outro problema recorrente em Campo Grande são os ônibus coletivos, que mesmo na pandemia continuam lotados. Assim, trabalhadores que dependem do transporte ficam expostos ao vírus mais facilmente.

Então, Filomena lembrou que existe uma ação que foi instaurada em 2020, contra o Consórcio. “Logo quando que os ônibus retornaram ao funcionamento, foi constituída uma multa de R$ 10 mil por dia”.

Entretanto, a promotora explicou que “a multa não está sendo executada”. Isto porque a ação ainda está em trânsito para ser julgada. Assim, ela afirmou que o MPMS já fez a solicitação de um “relatório de fiscalização para ser executado multa no Consórcio Guaicurus, na Agetran, no município de Campo Grande”.

Jornal Midiamax