Cotidiano

MS tem três cidades com umidade do ar em nível crítico; Saiba como cuidar da saúde

Mato Grosso do Sul teve três cidades com umidade do ar em nível crítico neste fim de semana, conforme o Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia). Ribas do Rio Pardo, Três Lagoas e Água Clara tiveram índices abaixo de 20%. O Inmet colocou Ribas do Rio Pardo como a 4ª cidade do país com menor índice, […]

Gabriel Maymone Publicado em 21/02/2021, às 14h28 - Atualizado às 15h01

Campo Grande teve umidade relativa do ar na casa dos 25% esse fim de semana. (Foto: Leonardo de França, Midiamax)
Campo Grande teve umidade relativa do ar na casa dos 25% esse fim de semana. (Foto: Leonardo de França, Midiamax) - Campo Grande teve umidade relativa do ar na casa dos 25% esse fim de semana. (Foto: Leonardo de França, Midiamax)

Mato Grosso do Sul teve três cidades com umidade do ar em nível crítico neste fim de semana, conforme o Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia). Ribas do Rio Pardo, Três Lagoas e Água Clara tiveram índices abaixo de 20%.

O Inmet colocou Ribas do Rio Pardo como a 4ª cidade do país com menor índice, que atingiu 17%. Já, Três Lagoas ficou na 6ª posição, com 18% e Água Clara com 20%. Ainda na 20 menores umidades do país estão:  Ivinhema (23%), Itaporã (24%) e Jardim  (24%).

Conforme a OMS (Organização Mundial de Saúde), o índice ideal para a saúde do ser humano é de 60%. Quando essa taxa fica entre 20% e 30% – que é o caso de Campo Grande, é considerado estado de atenção. Ao chegar abaixo dos 20%, a situação é crítica. Para valores abaixo de 12%, é questão de emergência sanitária.

Para amenizar os problemas causados pela baixa umidade do ar, os cuidados com a alimentação saudável e hidratação são fundamentais, mas há outras medidas que devem ser tomadas. O ideal é beber um copo de 200 ml de água a cada duas horas; colocar toalhas úmidas ou recipientes com água pela casa; lavar nariz e olhos com soro fisiológico pelo menos 3 vezes ao dia; usar hidratantes para a pele e para os lábios; fazer nebulização com soro fisiológico; evitar fazer atividade física entre 10h e 16h; e utilizar medidas tecnológicas que compensem o clima seco.

Além dos idosos e crianças, quem tem alergia e problemas respiratórios também fica vulnerável quando o ar fica mais seco. É a chamada reação de “hipersensibilidade”, que pode começar com uma reação alérgica, com muita secreção nasal ou reação exacerbada dos brônquios. Em um segundo momento, a resposta imunológica do corpo pode evoluir para uma sinusite, gripe, rinite alérgica ou até para uma pneumonia.

Previsão em MS

Segundo previsão da meteorologista Franciane Rodrigues, do Cemtec (Centro de Monitoramento do Tempo e do Clima) de MS, o tempo continuar seco até  terça-feira (23), quando a chuva deve retornar. Essas chuvas poderão ficar concentradas na parte centro-norte do Estado onde são esperados entre 40 a 50 milímetros acumulados. Chuvas significativas são esperadas no extremo sul no Estado, que pode registrar até 70 milímetros acumulados.

Jornal Midiamax