Cotidiano

Mesmo com pausa nas chuvas, nível do rio Aquidauana se mantém acima da média

Mesmo com a pausa nas chuvas intensas, o nível do rio Aquidauana mantém alta de 725 centímetros, conforme o monitoramento em tempo real da ANA (Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico). No trecho do distrito de Palmeiras, o nível marca 507 milímetros, ainda na manhã desta quinta-feira (18), a medição apontava 531, ou seja, […]

Karina Campos Publicado em 18/02/2021, às 16h21 - Atualizado às 16h38

Água invadiu casas em Aquidauana. (Foto: Divulgação / Prefeitura de Aquidauana)
Água invadiu casas em Aquidauana. (Foto: Divulgação / Prefeitura de Aquidauana) - Água invadiu casas em Aquidauana. (Foto: Divulgação / Prefeitura de Aquidauana)

Mesmo com a pausa nas chuvas intensas, o nível do rio Aquidauana mantém alta de 725 centímetros, conforme o monitoramento em tempo real da ANA (Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico).

No trecho do distrito de Palmeiras, o nível marca 507 milímetros, ainda na manhã desta quinta-feira (18), a medição apontava 531, ou seja, em 4 horas, cerca de 24 cm baixou na régua de monitoramento. Já no trecho de Aquidauana, o nível da água continua alto, sendo que apenas 1 centímetros foi reduzido em 4 horas.

O boletim diário da Imasul (Instituto do Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul), estão monitorando as estações Palmeiras, Aquidauana e Miranda, pois continuam em alerta, devido a cota acima da média normal dos rios.

A estação Mt-738 atingiu o nível de emergência e foi emitido um aviso de evento crítico, com possibilidade de enchente e inundação, que poderia atingir famílias ribeirinhas que moram próximo as áreas de alerta.

A prefeitura municipal fez um levantamento dos prejuízos causados pelas chuvas nos últimos dias. Várias pontes que dão acesso a estradas vicinais caíram. Os primeiros locais já vistoriados foram na região do Distrito de Cipolândia, Furnas dos Baianos, distrito de Piraputanga, e a BR 419, na região da Ponte da Pirainha.

Mesmo com pausa nas chuvas, nível do rio Aquidauana se mantém acima da média
Cerca de 6 pontes sofreram danos. (Foto: Divulgação)

Alguns pontos foram interditados por conta das erosões; 06 pontes de madeira que tiveram suas cabeceiras destruídas região do Taboco, Furnas dos Baianos e Distrito de Cipolândia. “Estamos atentos e preocupados com a situação das chuvas na cidade e na zona rural. Solicitei às nossas equipes o total empenho para atender todas as famílias que foram prejudicadas com as chuvas e devolver o trafego nas estradas vicinais e cobrar do DNIT a atenção urgente com a BR 419”, disse o prefeito Odilon Ribeiro (PSDB).

Normalmente e anualmente, até o período de março, a cidade registra cheias e aumento nas chuvas. Ainda segundo a prefeitura, pode ocorrer atrasos na manutenção e ser possível apenas medidas paliativas, enquanto os temporais atingirem a cidade.

“Para a execução de medidas definitivas após o período de chuvas, o município precisa de respaldo com decreto de situação de emergência, para facilitar e agilizar a contratação de serviços para recuperação de estradas e pontes. A prefeitura executa as vistorias, capta imagens e elaborará o relatório dos danos para justificar legalmente o decreto de situação de emergência a nível municipal”, comunica, em nota.

A prefeitura também alega que o serviço de recuperação da BR-419 compete ao DNIT, por se tratar de uma rodovia federal e afirma já ter informado sobre a situação calamitosa e solicitado a intervenção com urgência. As estradas vicinais e pontes de competência do município, por meio das Secretarias Municipais de Obras e Planejamento terão os serviços de recuperação iniciados.

Jornal Midiamax