Cotidiano

Empresa obtém liminar e ‘esconde’ apuração de negócios milionários no Governo Reinaldo. Leia no Midiamax Diário

Advogada de ex-titular da SAD conseguiu liminar favorável que colocou a Operação Clean sob sigilo

Humberto Marques Publicado em 20/07/2021, às 07h00

Edição impressa é distribuída gratuitamente em terminais de ônibus e em mais de 40 pontos da cidade
Edição impressa é distribuída gratuitamente em terminais de ônibus e em mais de 40 pontos da cidade - Reprodução
Reportagem desta terça-feira (20) do Midiamax Diário aborda a liminar obtida pela advogada Magali Aparecida da Silva Brandão, que colocou sob sigilo a Operação Clean – que colocou sua empresa, a Max Limp, no centro de investigação sobre corrupção e fraude em licitação a partir da Secretaria de Estado de Administração.
Advogada do ex-titular da SAD-MS, Carlos Alberto Assis, ela é sócia majoritária da Max Limp, que desde a chegada do Governo Tucano ao Estado abocanhou contratos bem acima dos que geriu, por exemplo, na Prefeitura de Campo Grande, no período em que a pasta era comandada pelo agora diretor-presidente da Agepan.
A versão impressa do Jornal Midiamax traz, também, material exclusivo com a mulher trans que foi vítima de um estupro coletivo em Campo Grande. Ela detalha as agressões sofridas, que seguem sob investigação das autoridades. E também publica cobertura sobre o acidente que deixou 2 mortos na Avenida Manoel Joaquim de Moraes, no Leblon.
A reabertura do Horto Florestal e a necessidade de a população se atentar para outras viroses comuns ao período de tempo seco – e que andam esquecidas por conta da Covid-19 – são outros assuntos publicados na edição 2.199 do Midiamax Diário.
O jornal é distribuído gratuitamente nos terminais de ônibus de Campo Grande e em mais de 40 pontos na periferia. Você pode conferir a versão online do Midiamax Diário ao final deste texto ou, ainda, na banca virtual Issuu.
Jornal Midiamax