Cotidiano

Em desacordo com o Prosseguir, Prefeitura de Sidrolândia não seguirá decreto Estadual de fechamento

Munícipio enviou um ofício à Secretaria de Estado de Saúde contestando a bandeira cinza

Ranziel Oliveira Publicado em 15/06/2021, às 12h57

Fachada da prefeitura
Fachada da prefeitura - Foto: Karina Souza / Prefeitura de Sidrolândia)

Não concordando com a sua inclusão na bandeira cinza do Programa Prosseguir, a prefeitura de Sidrolândia declarou que não seguirá o decreto do Governo do Estado, que determina o cumprimento de medidas mais restritivas para o enfrentamento da Covid-19, de acordo com a classificação de risco.

O procurador geral do Município, Wellison Muchiutti Hernandes, informou que foi encaminhado à Secretaria de Estado de Saúde, um ofício com dados que comprovam a situação de Sidrolândia frente à pandemia, com índices abaixo do estabelecido para a Bandeira Cinza.

O Município aguardará a decisão do Estado para a solicitação de mudança na classificação de risco – que tiraria Sidrolândia do grau extremo de risco para a Covid-19 – na convicção de que o quadro atual será revisto.

Um Decreto Municipal foi editado nesta segunda-feira (14/06), e seria publicado hoje (15) no Diário Oficial dos Municípios, com a adoção do toque de recolher das 20h às 5h, e com a proibição do consumo de bebidas alcoólicas no comércio ou vias públicas. Essa restrição teria validade de 14 dias.

No entanto, a publicação deste documento oficial também foi revista pela Procuradoria Geral do Município, até a resposta do Governo do Estado.

Justificativa do município  

Com base em dados levantados da situação da Covid-19 em Sidrolândia, o município figura atualmente no 45º lugar em incidência de novos casos, e por esse motivo, a Prefeitura vai manter a campanha de conscientização e fiscalização junto à população e ao comércio, para o cumprimento das normas de biossegurança, principalmente, o uso de máscara e utilização de álcool 70%, líquido ou gel.

No que se refere aos novos casos, em evolução mensal, Sidrolândia teve 591 em janeiro, 626 em fevereiro, 2.360 em março, 1.067 em abril, 827 no mês de maio, e em junho apresenta, com o mês em curso, 302 casos.

Quanto ao número de óbitos, foram 2 em janeiro, 8 em fevereiro, 56 no mês de março, 26 em abril, 9 em maio, enquanto que junho registra 1.

A Administração entende que os índices da Covid-19 neste mês de junho, tanto em novos casos, quanto em óbitos comprovam a estabilidade, em relação a meses anteriores, motivo pelo qual pede da Secretaria de Estado de Saúde a reclassificação do Prosseguir. 

Jornal Midiamax