Cotidiano

Em bandeira cinza, cidade de MS baixa decreto para suspender comércio de ambulantes

Medida vista a restringir circulação de pessoas e aglomerações; quase 15% da população de Chapadão do Sul já contraiu a Covid-19

Humberto Marques Publicado em 12/06/2021, às 09h01

Vista aérea de Chapadão do Sul; quase 15% da população da cidade já contraiu a Covid-19
Vista aérea de Chapadão do Sul; quase 15% da população da cidade já contraiu a Covid-19 - PMCS/Divulgação

Incluída na bandeira cinza (de grau extremo) do Prosseguir (Programa de Saúde e Segurança na Economia de Mato Grosso do Sul), Chapadão do Sul –a 333 km de Campo Grande– ficará sem o comércio ambulante deste domingo (13) até, pelo menos, 24 de junho. A medida consta em decreto publicado no Diário Oficial do município de sexta-feira (11).

A suspensão temporária das atividades de comércio ambulante vem da “necessidade de redução da circulação de pessoas, com vistas a diminuição da propagação do vírus do Covid-19”, conforme nota divulgada pelo Paço Municipal.

A suspensão abrange atividades exercidas por vendedores de mudas de plantas, sofás, alimentos, colchões, móveis madeiras, cintos, carteiras, bolsas e outros produtos em geral. Denúncias do não cumprimento do decreto devem ser realizadas na Fiscalização de Posturas, por meio do telefone (67) 99836-5871.

Divulgado na quinta-feira (10), o novo mapa do Prosseguir foi elaborado emergencialmente, deixando Chapadão do Sul e outros 42 municípios em bandeira cinza, que autoriza apenas o funcionamento de atividades essenciais. No município, todos os estabelecimentos fornecedores de produtos poderão atender no sistema delivery, enquanto o drive-thru estará autorizado apenas para medicamentos e alimentos.

Boletim divulgado nesta sexta-feira (11) pela Secretaria Municipal de Saúde de Chapadão do Sul contabilizou, desde o início da pandemia, 3.818 casos positivos de coronavírus, o equivalente a quase 15% da população do município, de 25.865 pessoas.

Do total de infectados pela Covid-19, 3.620 estão curados, 145 seguem em tratamento (17 deles internados, 8 deles em UTIs) e 53 faleceram. A cidade aguarda o resultado de 90 exames laboratoriais para confirmação ou descarte de casos.

Jornal Midiamax