Cotidiano

Com três intubados, pacientes com Covid de Dourados seguem para Rondônia

Relatos de enfermeiros revelam que o clima da despedida foi de tensão e choro entre pacientes e familiares

Marcos Morandi Publicado em 04/06/2021, às 09h21

Paciente é colocado em âmbulancia com destino ao aeroporto de Campo Grande
Paciente é colocado em âmbulancia com destino ao aeroporto de Campo Grande - Marcos Morandi

Dos oito pacientes com Covid, que estavam internados em Dourados, foram transferidos nesta sexta-feira (4) para Porto Velho, Rondônia, três estão intubados. A transferência foi coordenada de forma conjunta pela Central de Regulação Estadual, Sems (Secretaria Municipal de Saúde) e a Funsaud (Fundação de Serviços de Saúde de Dourados).

Os pacientes saíram de Dourados pouco depois das 9h,  com destino a Campo Grande, onde embarcarão num voo da FAB (Força Aéreas Brasileira), que inicialmente estava previsto para 11h, mas terá atraso. O transporte de Dourados até a Capital é feito por ambulâncias do município e também de outras cidades, tripuladas com médico e enfermeiro, do tipo UTI móvel, com recursos para manter o paciente estável.

Segundo informações da Central de Regulação Municipal, o paciente tem entre 29 e 79 anos, e foram escolhidos seguindo critérios médicos e parâmetros estabelecidos pela regulação, pois precisam ter condições de suportar, sem riscos, uma viagem aérea.

Todos os pacientes transferidos são de Dourados e estão na UPA (Unidade de Pronto Atendimento) e são pessoas, que segundo os médicos, têm melhor prognóstico de recuperação da Covid, entretanto, precisam de um leito semi-intensivo.

Para que a transferência se concretizasse foi necessária a autorização dos familiares e também dos pacientes. Segundo a diretora técnica da Funsaud, Angela Marin, a justificativa para a transferência é a “garantia da saúde do paciente, bem como, vazão do fluxo de pacientes na fila de espera de leitos hospitalares para atendimento Covid”.

Despedida com choros

Segundo informações apuradas pela reportagem do Midamax, a despedida entre alguns pacientes e os familiares aconteceu nesta quinta-feira. Relatos de enfermeiros revelam que o clima foi de tensão e choro.

“Foi um momento muito forte. Alguns dos familiares foram contrários à transferência, mas nesse momento não existe escolha, uma vez que dentro da própria UPA já não mais espaço e nem condições para garantir a vida desses pacientes”, comentou uma enfermeira.

A transferência dos pacientes que deveria ter iniciado às 6h da manhã, teve que ser atrasada para coincidir com a chegada da aeronave que irá fazer o traslado até Porto Velho.  “Entre os pacientes existem vários graus de gravidade, Três deles estão intubados em virtude de a doença já estar em estado mais avançado”, explica o médico plantonista da UPA, Éverton Mendes.

Jornal Midiamax