Cotidiano

Com buquês 'econômicos' e até cestas de R$ 400, floriculturas se preparam para o Dia dos Namorados em Campo Grande

Cestas de chocolate foram encontradas a partir de R$80,00

Ranziel Oliveira Publicado em 08/06/2021, às 14h16

Cestas decorativas
Cestas decorativas - (Foto: Leonardo de França / Jornal Midiamax)

O dia dos namorados é uma das datas comemorativas que mais gera lucro aos motéis e ao setor de floricultura. No segmento das flores, o advento da pandemia causou um aumento no valor do buquê, e com poucas flores no mercado, a solução tem sido se reinventar e esperar com boas expectativas a data mais romântica do Brasil.

Para a proprietária da Floricultura Campo Grande, Marina Moreira de 56 anos, a aposta para esse ano é investir em cestas de chocolate, devido ao preço das flores. “As rosas e outras flores estão caras. Um pacote de rosas colombianas no ano passado era R$ 70,00 hoje está R$ 180,00. Investi em cestas de vários tamanhos que contém até perfumes e bebidas”, disse ela.

[Colocar ALT]
Thiago Ferreira (Foto: Leonardo de França / Jornal Midiamax)

Para driblar a crise e oferecer opções ao cliente, ela comercializa um mini Buquê com três rosas colombianas a partir de R$ 80,00. Já as cestas de chocolate, podem variar entre R$ 80,00 e até R$ 400,00.

Na Rua Antônio Maria Coelho, o proprietário da Floricultura Pequena Flor percebeu um aumento na demanda por orçamentos e até reforçou os investimentos. “Estão procurando mais atrás de preço, ainda sem pedidos. Investimos mais em buquês de rosas colombianas e cesta de chocolates, mas subiu muito o preço da rosa”, disse.

Para cativar o seu público, o comerciante dá a possibilidade do cliente montar a sua própria cesta e escolher os itens mais adequados ao seu par romântico. Na floricultura, as cestas de chocolate saem a partir de R$ 120,00 e o buque de rosas colombianas, com 12 unidades, a partir de R$ 280,00. “É Mais na véspera que vedemos mais, estamos esperando”, finalizou.

Por que o preço da rosa subiu?

A algumas quadras de distância, na Avenida Mato Grosso, o proprietário da floricultura Rosalândia também sentiu o aumento no preço das flores e a necessidade de lidar com a falta do produto. “Subiu demais o valor da rosa nacional, quase ao preço da importada. Por isso, nossa aposta é mais nas rosas colombianas”, disse Adriano Cortez, de 47 anos.

Dentro dessa dinâmica de escassez, o comerciante identifica essa falta de flores como um corte na cadeia econômica, causada pelo coronavírus. “Ainda falta muito no mercado e teve produtor [de flores] que fechou. Entre o dia das mães e o dia dos namorados são 30 dias de diferença. O mercado retomou e acabou faltando mercadoria”, explicou Cortez.

Para chamar a atenção dos clientes, as cestas são oferecidas a partir de R$125,00 e buquê de rosas colombianas, com 12 unidades, a partir de R$210,00. “O feriado caiu antecipado esse ano. Acho que vai vender bem”, finalizou.

Jornal Midiamax