Cotidiano

Campo Grande não vai exigir comprovante de residência para vacinar, diz Marquinhos

Levantamento da Fiocruz aponta que mais de 30% das doses aplicadas na Capital foram em moradores do interior

Gabriel Maymone e Gabriel Neves Publicado em 28/06/2021, às 09h55

Prefeito Marquinhos Trad
Prefeito Marquinhos Trad - Marcos Ermínio / Midiamax

O prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad (PSD), declarou que o município não irá exigir comprovante de residência para aplicar vacina nas pessoas. Reportagem do Jornal Midiamax neste domingo (28) mostrou que pesquisa da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) concluiu que mais de 30% das doses aplicadas na Capital foram para pessoas residentes no interior.

Apesar dos dados, o prefeito declarou que as exigências para vacinar em Campo Grande não vão mudar. "Campo Grande é uma cidade acolhedora, não diferenciamos [a população], por isso não exigimos o comprovante de residência", declarou.

Por fim, Trad concluiu que exigir o comprovante de domicílio não é uma possibilidade. "Egoísta é quem coloca o comprovante de domicílio como fator [para vacinar]. Aqui não tem a menor possibilidade de acontecer. Estamos vacinando há meses pessoas daqui e de outras cidades", pontuou.

Levantamento da Fiocruz

A equipe do Icict (Instituto de Comunicação e Informação em Saúde) aponta que a falta de uma integração em nível nacional entre o Ministério da Saúde, os estados e municípios pode estar provocando essa distorção e, em consequência, o fato de o número de doses aplicadas em metade dos municípios do país ainda estar abaixo da média nacional.

Os pesquisadores destacaram que a busca de moradores do interior por vacina nas capitais se acentuou no mês de maio.

A Capital já lida há vários anos com a alta demanda de atendimento na rede pública com pacientes do interior. Segundo a Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), Campo Grande tem 1,5 milhão de usuários do SUS (Sistema Único de Saúde) registrados.

Jornal Midiamax