Cotidiano

Campo Grande ganha 1ª escola-cívico militar de tempo integral, com foco na disciplina e respeito

Unidade localizada no Jardim Anache tem 400 alunos e começou a funcionar nesta segunda-feira

Gabriel Maymone e Mayara Bueno Publicado em 02/08/2021, às 11h17

Alunos devem cumprir ritos militares
Alunos devem cumprir ritos militares - Marcos Ermínio / Midiamax

Com foco na disciplina e respeito à hierarquia, Campo Grande inaugura a 1ª escola cívico-militar de tempo integral do município. Localizada na Rua Faride George, Jardim Anache, a escola Professor Alberto Elpídio Ferreira Dias (Prof. Tito) conta com 420 alunos, que vão da 7ª série do ensino fundamental ao 2º ano do ensino médio. A Capital já tem em funcionamento uma unidade no Jardim Los Angeles, com 800 alunos, mas é de período regular.

Na escola do Jardim Anache, inaugurada nesta segunda-feira (2), houve cerimônia de abertura, com direito à formação, hino e marcha dos alunos, como manda o figurino militar.

O universo militar empolga alguns alunos como é o caso de Breno Martinez Mendonsa, que diz ter interesse nas questões militares há tempos e, quando descobriu que iria ter uma escola cívico-militar na região, pediu para os pais o matricularem. "A questão do respeito aos superiores é reforçada", disse. O empenho de Breno é tão marcante que ele é o 1º líder da sua turma.  

A escola é administrada pela SED (Secretaria Estadual de Educação), mas conta com apoio de corpo técnico dos Bombeiros e tem uma disciplina a mais que outras escolas: cidadania. Além disso, como já citado, há regras para estimular a disciplina e o respeito à hierarquia.


Antes da aula, estudantes entram em formação para cantar hino e marchar até as salas de aula - Foto: Marcos Ermínio / Midiamax

A mudança traz resultados positivos, segundo a coordenadora da escola, Kelly Cabral. "É nítida a mudança de comportamento desde a vestimenta até a postura na sala de aula", comentou.

Na ala militar, são 10 bombeiros militares designados, sendo 8 monitores, 1 oficial de gestão escolar e 1 oficial de gestão educacional, que é o responsável por conduzir os processos disciplinares. Esse cargo ficou sob responsabilidade do Coronel Francisco Carlos da Silva Rojas, que explicou como funciona a disciplina de cidadania. "Vamos passar aspectos de responsabilidade, cuidado e noções de hierarquia", pontuou.

A junção de civis e militares foi bem vista também por professores. Docente de matemática, Daniel Domingos de Souza ressaltou a importância do aluno conviver com a presença do corpo de militares. "Os valores que têm que ser trabalhados em casa são reforçados na escola. Os alunos são induzidos a aprender a parte física e obediência", reforçou.

Jornal Midiamax