Cotidiano

Baixa procura faz doses sobrarem e prefeitura de MS amplia público para 2ª dose de AstraZeneca

Prefeitura de Chapadão do Sul reduziu janela de imunização para pessoas que receberam a primeira dose da AstraZeneca até 30 de abril

Humberto Marques Publicado em 23/06/2021, às 18h43

Serão 90 senhas para aplicação da 2ª dose em Chapadão do Sul a quem se vacinou até 30 de abril
Serão 90 senhas para aplicação da 2ª dose em Chapadão do Sul a quem se vacinou até 30 de abril - Arquivo/Midiamax

A Prefeitura de Chapadão do Sul –a 336 km de Campo Grande– anunciou no fim da tarde desta quarta-feira (23) que, diante da “sobra” de 90 doses da vacina AstraZeneca reservada para o reforço de imunização, será ampliado o público para o recebimento da segunda dose no município.

Nesta quinta-feira (24), serão distribuídas exatas 90 senhas na ESF (Estratégia Saúde da Família) Central para aplicação da segunda dose para quem recebeu a primeira da AstraZeneca até dia 30 de abril. As doses foram reservadas às pessoas que não receberam o imunizante entre terça (22) e esta quarta-feira (23).

A ampliação da janela para imunização da segunda dose será aplicada apenas no ESF Central, com entrega das senhas a partir das 7h. Por se tratar de uma quantidade baixa, optou-se por concentrar o serviço em apenas um local.

O interessado deve comparecer ao local com documento pessoal com foto e o comprovante de aplicação da primeira dose.

Ao mesmo tempo, a Vigilância Epidemiológica de Chapadão do Sul reforça que a garantia da imunização depende da segunda dose –a vacina não age como um remédio para dor, de efeito imediato, mas sim leva alguns dias para fazer efeito. E a imunização só é efetiva com a nova aplicação, que conclui o ciclo vacinal, sendo que no Brasil a aplicação da segunda dose só pode ser feita com a mesma da primeira.

Mesmo que o paciente tenha tido reação adversa pós-vacina, não deve desistir da dose complementar. Os efeitos mais comuns apresentados após a primeira dose da vacina são dor no local da aplicação, calafrio e dor de cabeça, considerados comuns a vários imunizantes.

Jornal Midiamax