Cotidiano

Carro de concessionária quase tomba e fica presa em erosão em Corumbá

Acionada para atender casas sem luz durante o temporal, nesta quarta-feira (13), em Corumbá, a 417 quilômetros de Campo Grande, uma viatura da concessionária Energisa quase capotou e chegou a ficar suspensa em uma erosão no assentamento Urucum. Conforme o Diário Corumbaense, a região é de rua não tem pavimentação e moradores reclamavam de deslizamento. […]

Karina Campos Publicado em 13/01/2021, às 13h40 - Atualizado às 17h51

Viatura de concessionário chegou a ficar suspensa na rua. (Foto: Diário Corumbaense)
Viatura de concessionário chegou a ficar suspensa na rua. (Foto: Diário Corumbaense) - Viatura de concessionário chegou a ficar suspensa na rua. (Foto: Diário Corumbaense)

Acionada para atender casas sem luz durante o temporal, nesta quarta-feira (13), em Corumbá, a 417 quilômetros de Campo Grande, uma viatura da concessionária Energisa quase capotou e chegou a ficar suspensa em uma erosão no assentamento Urucum.

Conforme o Diário Corumbaense, a região é de rua não tem pavimentação e moradores reclamavam de deslizamento. A chuva forte causou buracos e erosões na via. Equipes da Defesa Civil foram acionadas para avaliar a necessidade de interdições das vias.

Um morador do bairro Cristo Redentor disse que a chuva forte surpreendeu a família na manhã de hoje. A Água chegou a ficar 40 centímetros acima do chão, molhando os móveis da casa. “Tive que quebrar parte do muro para que a água pudesse escoar, caso contrário, ficaria no quintal e estaríamos embaixo d’água”, disse Renan Ribeiro.

Carro de concessionária quase tomba e fica presa em erosão em Corumbá
Cão também foi resgatado. (Foto: Corpo de Bombeiros de Corumbá)

O Corpo de Bombeiros informou que várias ruas da cidade ficaram alagadas desde a noite de terça-feira (12). A enxurrada invadiu residências e as equipes foram chamadas para resgatar idosos, bebês e até cachorros. Ao todo, foram 50 ocorrências registradas.

Os alagamentos atingiram principalmente os bairros Cristo Redentor, Popular Velha, Aeroporto, Maria Leite e Cravo Vermelho. Dados da Estação Meteorológica Uniderp apontam que o volume de chuva registrado na região do Porto Geral foi de 158,6 mm, enquanto choveu 123,3 mm na região do Aeroporto.

Conforme o coordenador da Defesa Civil do município, Isaque do Nascimento, as equipes ainda estão levantando quantas pessoas vão precisar de abrigo. “A maioria das pessoas que ficou desabrigada ou desalojada encontraram alternativa [casa de familiares ou amigos], mas se precisarem de acolhimento, a prefeitura tem os pontos de abrigo prontos”, explicou.

Nascimento explicou que o volume de chuva registrado ficou acima do esperado. “Muito expressivo, extravasou galerias e inundou residências. As mais impactadas são as que ficam na rota da água ou abaixo do nível da rua”, completou.

Jornal Midiamax