Cotidiano

ACP pede retorno das aulas municipais após aplicação de 2ª dose em professores

Sindicato alega que desta forma será mais segura a retomada

Renata Fontoura Publicado em 17/07/2021, às 12h06

Ofício pode chegar também ao Estado
Ofício pode chegar também ao Estado - Reprodução

Após a ACP (Sindicato Campo-Grandense dos Profissionais da Educação Pública) encaminhar um ofício à Prefeitura pedindo que as aulas remotas continuem até que todos os professores sejam imunizados com a segunda dose da vacina contra covid-19, as aulas presenciais continuam, até o momento, programadas para 26 de julho. 

"Considerando que parte significativa dos professores ainda não receberam a segunda dose da vacina para a Covid-19. Considerando que após a 2ª dose é necessário aguardar a janela imunológica de 15 dias, conforme precarizado pelas autoridades competentes. Consirando que as aulas previstas para iniciar com alunos a partir do dia 26/07. Frente as considerações, solicita que as aulas permaneçam remotamente até que seja imunizada toda a categoria, permitindo, desta forma, que o retorno seja seguro, preservando a integridade física dos profissionais de educação pública", diz o texto. 

O órgão deixa claro que não é contra o retorno dos alunos nas escolas, mas que tudo seja feito com proteção. "Com garantia de segurança como debatido (...) acredito no bom senso", pontua Lucílio Nobre, presidente do sindicato. "A nossa preocupação é também com todos os alunos", afirma. 

Já em relação ao retorno da Rede Estadual, o presidente também demonstra preocupação. Porém, salienta que neste caso, o retorno tem mais tempo, dia 2 de agosto. "Quando chegar dia 26 de julho, e tiver defasagem grande, vamos encaminhar pedido para mais uma semana, aguardar a segunda dose", finaliza. 

Jornal Midiamax