Cotidiano

Sesau calcula que Campo Grande tenha ‘imunidade de rebanho’ em até 4 semanas

Titular da Sesau, José Mauro, aguarda resultado de pesquisa iniciada esta semana que vai mapear incidência de casos em Campo Grande.

Gabriel Maymone Publicado em 21/07/2020, às 13h15 - Atualizado em 22/07/2020, às 09h12

Imagem Ilustrativa | Henrique Arakaki | Midiamax
Imagem Ilustrativa | Henrique Arakaki | Midiamax - Imagem Ilustrativa | Henrique Arakaki | Midiamax

Pesquisa iniciada nesta semana pela Sesau (Secretaria Municipal de Saúde) vai mostrar a taxa de transmissão do vírus em Campo Grande. Dados mostram que em outras grandes cidades que já estão no ciclo mais avançado da doença, quando esse índice chega a 20%, o nível de internações começa a cair. É o que os estudiosos da pandemia chamam de ‘nova imunidade de rebanho’ do coronavírus.

Titular da Sesau, José Mauro
Secretário municipal de Saúde, José Mauro, aguarda resultado de pesquisa sobre taxa de contaminação. (Foto: Izaias Medeiros, Câmara Municipal)

Assim, baseado nessa pesquisa é que o secretário municipal de saúde, José Mauro Pinto de Castro Filho avalia que Campo Grande deve atingir esse patamar no prazo de 2 a 4 semanas. “É uma pesquisa nos sete distritos e vai durar uma semana. As equipes vão coletar dados por região para ver o índice de transmissão”, explicou.

Ainda conforme o secretário, trata-se de um mapeamento de imunização da população. “Vamos ver os bairros com maior incidência e ter um norte [em relação às ações a serem tomadas]”, pontuou.

Conforme o boletim da SES (Secretaria de Estado de Saúde) divulgado nesta terça-feira (21), a taxa de internação na macrorregião de Campo Grande estava em 84%, a maior do Estado. O número de casos na Capital era de 6.490 e os óbitos somavam 73.

‘Imunidade de rebanho’

O termo é usado por infectologistas quando uma porcentagem da população é contaminada e, por isso, ganha imunidade. Esse ponto do ciclo do vírus se tornou essencial no combate à doença em outras cidades do país, que registraram o pico da Covid-19 antes de Campo Grande.

Então, tudo indica que o ponto em que a coletividade ganha essa imunidade está acontecendo em outros locais no caso do coronavírus. Estudos mais recentes apresentaram modelos matemáticos que indicam que a taxa em que essa situação acontece estaria quando cerca de 43% ou 20% da população fosse infectada.

Sesau calcula que Campo Grande tenha ‘imunidade de rebanho’ em até 4 semanas
Ônibus itinerante da Sesau no Bairro Moreninhas. (Foto: Leonardo de França, Midiamax)

Outras ações

Também adotado como medida essa semana pela Sesau foi o ônibus itinerante, que irá percorrer regiões com maior densidade de casos. “Essa ação tem foco na orientação à população. É feita aferição de temperatura e, dependendo do caso, também fazemos o teste”, completou José Mauro.

As testagens também foram ampliadas pela Sesau para as autoridades municipais terem uma clara visão do cenário na cidade. “Descentralizamos os testes para as unidades básicas [nos bairros], além dos drive-thrus, no Polo Ayrton Sena e no Colégio Lúcia Martins Coelho”, finalizou.

Jornal Midiamax