Cotidiano

Irmãos desenvolvem Ranger elétrica e montam 1° estação de recarga gratuita de MS

Os irmãos Henderson e Hewerton Martins são apaixonados por tecnologia ,e recentemente, lançaram a 1° estação de recarga elétrica com energia solar fotovoltaica gratuita de Mato Grosso do Sul. Os sócios também transformaram uma Ford Ranger com motor elétrico. A iniciativa pretende expandir para pontos de recarga em vários pontos de Campo Grande. Conforme o […]

Karina Campos Publicado em 17/06/2020, às 17h43 - Atualizado em 18/06/2020, às 11h46

Picape foi inteiramente reformada e convertida para rodar com eletricidade (Foto Hewerton Martins/Arquivo Pessoal)
Picape foi inteiramente reformada e convertida para rodar com eletricidade (Foto Hewerton Martins/Arquivo Pessoal) - Picape foi inteiramente reformada e convertida para rodar com eletricidade (Foto Hewerton Martins/Arquivo Pessoal)

Os irmãos Henderson e Hewerton Martins são apaixonados por tecnologia ,e recentemente, lançaram a 1° estação de recarga elétrica com energia solar fotovoltaica gratuita de Mato Grosso do Sul. Os sócios também transformaram uma Ford Ranger com motor elétrico. A iniciativa pretende expandir para pontos de recarga em vários pontos de Campo Grande.

Irmãos desenvolvem Ranger elétrica e montam 1° estação de recarga gratuita de MS
Ponto de recarga. (Foto: Arquivo Pessoal)

Conforme o empresário Hewenton, ele trabalha junto com o irmão no ramo da tecnologia há 10 anos, e decidiram amadurecer a ideia de inovar, criando a Solar Energy. Eles foram para Alemanha e Estados Unidos estudar os tipos de alternativa. Trouxeram peças e passaram a testar. A adaptação custou cerca de R$ 80 mil.

“A Ranger, ele adquiriu faz uns 5 anos, é um modelo americano de 1995. Foi restaurada do zero, e chegou a rodar um período com motor a combustão. Ele fez adaptações com estudos, não é um projeto amador. Temos um laboratório, o que também facilitou, os testes tecnológicos para que ela funcionasse com eficácia”, disse.

Já o ponto de recarga local funciona como um estacionamento, onde o motorista deixa o carro carregando de 1 a 2 horas, dependendo do tipo do veículo, e ao retornar a bateria está completa. No caso da caminhonete, o veículo demora cerca de 2h30 para recarregar e tem autonomia de até 300 quilômetros para viagem.

“O volume de carros elétrico tem subido a cada ano, é que a gente não percebe. É o mesmo caso das bicicletas elétricas, do dia para a noite o volume ficou grande no Brasil inteiro. Com os carros elétricos, acontecerá a mesma coisa. Nos próximos dois anos, o volume estará grande. A gente não está percebendo, mas está acontecendo uma transformação do combustível, com o advento da energia solar, as pessoas vão poder abastecer a custo de energia elétrica, pois o sol vai gerar essa eletricidade”.

A ideia é locar os pontos distribuídos em hotéis, restaurantes, nos próprios pontos de combustíveis como alternativa, shoppings, e locais de maior facilidade do público. Hewerton também explica que os carros elétricos são carregados no máximo duas vezes por semana, o que facilita a mobilidade dos condutores.

“Em menos de cinco anos, teremos um grande volume de carro elétrico, principalmente de caminhões de pequeno porte. temos marcas que já lançaram caminhonetes de entrega, táxis, Uber, então teremos vários serviços que irão adotar e puxar a modalidade de carros elétricos. É um mercado que tende a expandir, embora o Brasil esteja atraso em comparação aos países de fora. Todos tem meta para proibir carros de combustão”, finaliza.

Jornal Midiamax