Cotidiano

Prefeitura de Campo Grande também estuda comprar do Governo de SP vacinas contra coronavírus

Após o Governo de Mato Grosso do Sul divulgar a disponibilização de verba para compra de 700 mil doses da vacina contra a Covid-19, o novo coronavírus, a Prefeitura de Campo Grande também sinaliza, na tarde desta terça-feira (8), que estuda adquirir doses da Coronavac compradas pelo Governo de São Paulo. Em nota, o município […]

Karina Campos Publicado em 08/12/2020, às 17h54 - Atualizado em 09/12/2020, às 08h36

Vacina CoronaVac. (Foto: Divulgação/ Instituto Butantan)
Vacina CoronaVac. (Foto: Divulgação/ Instituto Butantan) - Vacina CoronaVac. (Foto: Divulgação/ Instituto Butantan)

Após o Governo de Mato Grosso do Sul divulgar a disponibilização de verba para compra de 700 mil doses da vacina contra a Covid-19, o novo coronavírus, a Prefeitura de Campo Grande também sinaliza, na tarde desta terça-feira (8), que estuda adquirir doses da Coronavac compradas pelo Governo de São Paulo.

Em nota, o município informou que a possibilidade da compra de doses ainda está sendo estudada pela Sesau (Secretaria Municipal de Saúde). Sem data para receber a imunização, uma decisão deve ser divulgada quando houver uma definição da administração.

A pasta também não informa quantas doses pode ser adquiridas e se o destino inicial da vacina serão os grupos de risco, estratégia já anunciada pelo Governo do Estado.

Mato Grosso do Sul estima a compra de 700 mil vacinas contra a doença, priorizando grupos de risco, com idosos de mais de 70 anos, índios e profissionais da saúde e educação

Embora o apoio do estado vizinho, MS pretende ter um ‘plano B’, ressaltando que mesmo sem verbas do Ministério da Saúde, deve comprar as doses com recursos próprios, mas ainda assim, com plano de vacinação organizada pelo ministério.

Com início da distribuição para 25 de janeiro em São Paulo, durante a reunião, o ministro da Saúde Edurdo Pazuello afirmou que as dosagens devem terminar a serem distribuídas até o fim de fevereiro, caso seja aprovada pela União, que já firmou acordo com as pesquisas de Oxford, AstraZeneca para receber 160 milhões de doses e 42 milhões da Coronavac.

Jornal Midiamax